Costa Cruzeiros cresce em Portugal e anuncia novidades para os próximos anos

Costa Cruzeiros cresce em Portugal e anuncia novidades para os próximos anos

Categoria Business, Transportes

Nos últimos anos, o turismo mundial tem registado uma curva ascendente no que toca ao aumento global de turistas. A acompanhar esta tendência, encontra-se o segmento dos navios de cruzeiro, indústria que em 2018, de acordo com as previsões da CLIA – Associação Internacional de Linhas de Cruzeiros, deverá alcançar os 27,2 milhões de passageiros transportados.

Na mesma linha de evolução encontra-se a companhia Costa Cruzeiros, marca italiana da Carnival Corporation, que tem boas perspetivas em relação ao novo ano. Numa entrevista exclusiva à Ambitur, Raffael D’Ambrosio, diretor-geral da Costa Cruzeiros para a Península Ibérica, considera que numa época positiva para o turismo dá-se um “efeito multiplicador” em que é possível tirar “bons proveitos da atual conjuntura”. Neste sentido, o responsável assegura que o objetivo da companhia passa por “posicionar a Costa Cruzeiros como a companhia com melhor relação qualidade/preço” e aumentar o chamado Net Promote Score, de forma a puder mensurar-se qual o grau de satisfação e fidelidade dos clientes.

Relativamente a Portugal, Raffael D’Ambrosio realça que a Costa Cruzeiros quer aumentar o rácio (números de cruzeiristas a dividir pela população total, ao longo de um ano) de cruzeiristas no mercado português. Segundo o diretor-geral da marca italiana para a Península Ibérica, em Espanha, esse mesmo rácio é de 1,1%, valor que ainda assim é bastante inferior à média europeia. Em Portugal, sublinha, “temos números que são bastante mais baixos – cerca de 0,4% – o que ainda assim nos traz grandes oportunidades”. “Se Espanha e Portugal partilham, em geral, das mesmas características, podemos chegar, no mínimo, ao valor de Espanha”, defende.

Atualmente, Itália mantém-se como principal mercado da companhia, seguido de França e Espanha. Na perspetiva do grupo, Portugal aparece como mercado complementar ao espanhol. “É como se Portugal se situasse no terceiro lugar dos mercados mais importantes”, sublinha.

Mercado português em crescimento
Ao nível nacional, a Costa Cruzeiros encontra-se, atualmente, representada pela Line C – Agência de Viagens e Representações Turísticas Lda. Em declarações à Ambitur, Jorge Carreiras, diretor-geral da Line-C revela que o ano de 2017 “se manteve na mesma linha dos últimos quatro anos de Costa Cruzeiros em Portugal, com um crescimento importante e relevante para o nosso mercado”.

Na ótica deste responsável, existe um caminho a percorrer, nomeadamente no que toca ao aumento do número de cruzeiristas portugueses. Por outro lado e comparativamente a Espanha, Portugal mantém-se atrasado em termos de infraestruturas, um aspeto em que o país saí valorizado com a recente inauguração do novo terminal de cruzeiros de Lisboa. “Finalmente temos uma infraestrutura que será por natureza geradora de mais-valia para esta indústria”, considera.

Neste novo ano, o responsável pela representação da Costa Cruzeiros em Portugal presume que o mercado português seja responsável pelo transporte de cerca de 45 mil turistas portugueses.

Programação ao longo de todo o ano, com Mediterrâneo no horizonte
Na programação deste ano, a companhia apresenta uma oferta, que mesmo com a junção de destinos mais exóticos, mantém o Mediterrâneo como espinha dorsal da sua operação. Assim sendo, no primeiro trimestre, destaque para os cruzeiros no Mediterrâneo, a que se juntam, na categoria Sol, os cruzeiros no Dubai e Caraíbas e, na categoria Exótico, rotas para o Japão e Singapura.

Tanto no segundo trimestre como no quarto, a companhia volta a apostar nos cruzeiros em pleno Mediterrâneo, com espaço para os barcos que mudam de rota ao fim da viagem. Neste último, a Costa Cruzeiros anuncia que este ano a companhia terá uma viagem que começa e termina em Lisboa. Já em pleno verão, no terceiro trimestre, para além do Mediterrâneo, destaque para o Norte da Europa.

Para este ano, a companhia está, cada vez mais, a apostar nas acessibilidades. Desta forma, sublinham os responsáveis, a Costa Cruzeiros quer oferecer aos clientes a opção destes embarcarem nos portos de origem. Para isso, a companhia está a trabalhar com diversas companhia aéreas com o intuito de se programarem voos charter para cada um dos destinos de origem dos navios.

Companhia anuncia novos navios
Até 2021, a Costa Cruzeiros irá contar com três novos navios que se juntam aos atuais 15 barcos presentes no portfólio da companhia. Os novos navios de cruzeiro representam um investimento de cerca de mil milhões de euros.

De acordo com Raffael D’Ambrosio, em 2019, chega o primeiro Costa Smeralda, com capacidade para 6.600 passageiros e movido a gás natural liquefeito (GNL). No ano seguinte, em 2020, a companhia espera lançar o Costa Venezia, que será o primeiro navio da Costa Cruzeiros direcionado exclusivamente para o público chinês. E, por fim, em 2021, a companhia tem também encomendado um ‘gémeo’ do Costa Smeralda.

“O Costa Smeralda vai ter a melhor da tecnologia disponível até hoje ao nível da construção naval. É um barco que será movido gás liquefeito”, frisa o diretor-geral da companhia na Península Ibérica, sublinhando que a Costa “é uma companhia sustentável” e onde faz parte da política interna criarem-se condições para a preservação dos oceanos.

Costa Cruzeiros lança nova ferramenta para agentes de viagens portugueses
Por fim, ao longo  deste ano,  a companhia irá lançar em Portugal, a ferramenta tecnológica Costa Extra, que pretende ajudar os agentes de viagens portugueses na “transformação digital” do mercado.

“Queremos ser parceiros tecnológicos dos agentes de viagens e ajudá-los nesta transformação digital do mercado. Por isso, vamos lançar uma plataforma chamada Costa Extra, utilizada em Espanha, e que queremos estender a Portugal no próximo ano. Consiste num mix entre uma plataforma de trabalho e um local para se encontrarem oportunidades de negócio”, sublinha o responsável.

*Este artigo foi publicado na edição 307 da Ambitur

Ricardo Ramos Gonçalves