Direção da APAVT toma posse “em nome do futuro”

Direção da APAVT toma posse “em nome do futuro”

Foi “em nome do futuro” e pelo “diálogo construtivo e trabalho sério”, que tomou posse esta quinta-feira, dia 11, a nova direção da APAVT – Associação Portuguesa da Agências de Viagem e Turismo, numa cerimónia que teve lugar no hotel Dom Pedro, em Lisboa.

Pedro Costa Ferreira iniciou desta forma, o seu terceiro mandato à frente da associação – ao qual chegou a pensar não se candidatar, como lembrou no seu discurso – para o triénio 2018/2020, apelando ao “diálogo e união interna”.

Na sua tomada de posse, o responsável começou por relembrar o processo eleitoral, sublinhando a ideia de mesmo com uma única lista candidata, nem por isso deixou de existir, designadamente com a apresentação de “visões diferentes, com candidatos diferentes e com apoios diferentes”.

Num agradecimento à sua nova equipa, Pedro Costa Ferreira deixou ainda um cumprimento especial a Tiago Raiano, novo presidente da Mesa da Assembleia-Geral da APAVT, que o responsável considerou ser “a figura mais importante e mais representativa desta associação”.

Em relação aos desafios deste novo mandato, o presidente reeleito da APAVT voltou a indicar os mesmos que já tinha identificado ao longo da sua campanha. São eles a desigualdade fiscal internacional no sector dos eventos em Portugal; as medidas de restrição à operação turística em Lisboa; o estrangulamento do aeroporto; o novo regulamento europeu de proteção de dados; e ainda, a “degradação das condições de venda das passagens aéreas, consequência de uma relação menos fácil com as companhias aéreas em geral e com a IATA”.

Além destas, Pedro Costa Ferreira voltou a salientar também a necessidade de se acompanhar “a implementação da nova diretiva europeia relativa às viagens organizadas”, tema que na sua ótica irá manter-se ao longo dos próximos anos, “face ao brutal aumento das responsabilidades com que passaremos a conviver a partir de julho deste ano”.

“É nosso entendimento que todos estes desafios, e tantos outros que serão acompanhados ao longo dos próximos três anos, nos capítulos aéreo, de incoming, dos DMCs, da distribuição, dos cruzeiros e grupo de trabalho tecnológico, terão de ser geridos com a firmeza de quem sabe o que representa e quem representa, mas com a seriedade e o bom senso que quem tem a noção de que não vivemos nem sozinhos”, sintetizou.

Na linha de estratégia para o próximo mandato, Pedro Costa Ferreira falou também no relacionamento com outras entidades do setor. De acordo com o responsável, a APAVT quer continuar a desenvolver um “trabalho conjunto” com as regiões de Turismo, Confederação do Turismo Português, ECTAA, organização europeia da qual a APAVT tem a vice-presidência, e com as diversas associações congéneres da Europa.

Pedro Costa Ferreira falou ainda de um reforço de realções no âmbito da lusofonia, bem como reforço no  “a oriente, tendo em consideração o posicionamento absolutamente relevante de Macau e todas as oportunidades que se revelam e se revelarão naquela zona do globo”.

Por último, nota para a BTL – Bolsa e Turismo de Lisboa, evento para o qual, a APAVT tem contribuído na “não apenas enquanto espaço de exposição de Portugal enquanto destino turístico, mas também enquanto momento de dinamização dos negócios e comercialização de produtos”.

Ricardo Ramos Gonçalves