eDreams obtém lucros de 7,7 milhões durante o primeiro trimestre do novo ano fiscal

eDreams obtém lucros de 7,7 milhões durante o primeiro trimestre do novo ano fiscal

Categoria Business, Ot's Av's

A eDreams ODIGEO (www.edreamsodigeo.com), uma das maiores agências de viagens online do mundo, anunciou resultados relativos ao primeiro trimestre, que terminou a 30 de junho de 2016, com lucros na ordem dos 7,7 milhões, nestes primeiros meses do novo exercício fiscal.

Segundo Dana Dunne, CEO da empresa, “foi um primeiro trimestre forte, em que se registou um crescimento nas reservas e na margem de lucro nos nossos negócios de voos como nos produtos de férias e com um decréscimo acentuado dos custos variáveis por reserva, aumentando assim a rentabilidade. Os resultados deste trimestre são mais uma prova de que as nossas iniciativas estratégicas continuam a dar frutos.” A responsável acrescenta ainda que “o forte desempenho tem sido impulsionado pela força da nossa oferta aos consumidores e por continuarmos focados na qualidade do nosso apoio ao cliente. No futuro, iremos aumentar o investimento nas nossas propostas de negócio e aos clientes, de forma a capitalizar as oportunidades de crescimento sustentável e a longo prazo que temos disponíveis.”

No primeiro trimestre do ano fiscal da empresa, que terminou a 30 de junho de 2016, a eDreams ODIGEO “conseguiu um forte desempenho financeiro”, de acordo com comunicado da empresa. A estratégia anunciada em junho de 2015 continua a apresentar melhorias no negócio e consequentemente a gerar taxas de crescimento positivas nas reservas (mais de 11%), na margem de lucro (9%) e no EBITDA ajustado (30%).

O trimestre representou igualmente uma forte rentabilidade e fluxos de caixa sólidos. O rendimento líquido ajustado aumentou significativamente para 9,2 milhões de euros, o que representa um aumento de 172% em termos homólogos. O valor monetário no final do trimestre fixou-se nos 111,7 milhões de euros, considerando a desalavancagem bem-sucedida de dívida. Excluindo a reaquisição da dívida, o valor monetário teria ficado nos 140,8 milhões de euros, mais 14% em termos homólogos.

A empresa regista um crescimento sólido nas reservas (mais de 11%), na margem de lucro (mais de 9%) e no EBITDA Ajustado (mais de 30%) alcançando os 124,2 e 29 milhões de euros, respetivamente

 

Análise do negócio por área geográfica

Crescimento sólido das reservas e da margem de lucro nos mercados mais importantes e nos mercados não tradicionais no primeiro trimestre. Nas reservas relacionadas com os mercados mais importantes, o crescimento foi impulsionado por um desempenho sólido em Espanha, Itália e França, e especificamente no negócio de voos, que registou grandes taxas de crescimento. Nos mercados não tradicionais, o aumento diz respeito à Alemanha, bem como ao Reino Unido e aos mercados internacionais.

 

Análise do negócio por Voo/Alojamento e outros serviços

O progresso nas iniciativas estratégicas continuou a originar um crescimento sólido das reservas de voos e na margem de lucro, impulsionado pelos Mercados mais importantes e pelos Mercados não tradicionais. A margem de lucro nos voos cresceu de forma sólida devido aos esforços contínuos para melhorar os produtos, reorientar os preços e o desempenho dos canais.

As reservas de alojamento e outros serviços continuaram a crescer, impulsionadas pelos nossos mercados mais importantes. Registou-se um aumento em todas as reservas de produtos de alojamento e serviços, exceto nos pacotes de viagens, que continuaram a diminuir.

A margem de lucro de alojamento e outros serviços registou um aumento pelo terceiro trimestre consecutivo. O crescimento deveu-se principalmente a um aumento de 9% da margem de lucro por reserva, impulsionado pelo desenvolvimento da metapesquisa, de receitas não transacionais e pelo crescimento na nossa atividade de rent-a-car, hotéis e pacotes dinâmicos.

 

Resumo de alguns dados específicos:

– Rendimento líquido ajustado de 9,2 milhões de euros, o que representa um aumento de 172% em termos homólogos;

– O Grupo experimenta uma desalavancagem da dívida bem-sucedida depois de readquirir com êxito 30 milhões de euros em obrigações de 2018;

– Fluxo de caixa sólido com valor monetário de 111,7 milhões de euros (140,8 milhões de euros, excluindo reaquisição da dívida, até 14% em termos homólogos);

– Em voos e pacotes de férias a margem de lucro aumentou mais de 9% e 12%, respetivamente

– Nos mercados mais importante continua a tendência positiva nas reservas (+12%), com crescimento da margem de lucro de mais de 10%. Nos mercados não tradicionais registou-se um aumento nas reservas de mais de 11% e também 9% de margem de lucro;

– As previsões para o conjunto do exercício anual: superar os 10,7 milhões em reservas; superar os 463 milhões de euros de margem de lucro e conseguir um EBITDA ajustado de 105 milhões de euros (crescimento de mais de 10%), +/- 2 milhões de euros.