euroAtlantic airways promove primeira Fam Trip ao Irão

euroAtlantic airways promove primeira Fam Trip ao Irão

A euroAtlantic airways (EAA) vai realizar a primeira Fam Trip de jornalistas portugueses ao Irão, entre 8 e 13 de dezembro de 2017, na sequência da assinatura, em novembro de 2014, do Acordo Aéreo Portugal – Irão. Na altura, o vice-ministro do Desenvolvimento e Chefe da Aviação Civil da República Islâmica do Irão, que se deslocou a Lisboa para assinar o acordo bilateral, referiu ser “o primeiro acordo dos últimos 35 Anos celebrado entre o Irão e um país da Comunidade Europeia”.

Após este acordo, o Irão já desenvolveu convénios com outros países europeus, como é o caso de Espanha, nomeadamente o Aeroporto de El Prat Barcelona, para onde a companhia iraniana Mahan Air começou a voar (Airbus A340) depois de anos de desconexão, registando os voos altas taxas de ocupação, revela o comunciado remetido pela euroAtlantic airways. A companhia portuguesa EAA, por ainda não estarem reunidas condições, vê-se impedida de iniciar operações ao invés de Espanha, que garante emissões de cerca de 560 vistos semanais, que têm vindo a alimentar duas frequências.

Tomaz Metello, chairman da EAA, recorda que o Acordo Aéreo foi finalizado após dois anos de investimento e intensas negociações entre autoridades aéreas dos dois países, criando bastantes expectativas, além de ter feito história no quadro das relações bilaterais Portugal – Irão e no âmbito da própria União. “O processo português constituiu jurisprudência no caso espanhol, estando a companhia privada euroAtlantic e os empresários portugueses, com negócios no Irão (incluindo o Turismo e hoteleira), a perder oportunidades”, explica o empresário.

Na mesma nota, a euroAtlantic airways lamenta que agências iranianas se vejam impedidas de efetuar reservas e vendas na rota Teerão – Lisboa, com passageiros com alto poder aquisitivo, face às dificuldades com emissões de vistos.

“Esta Fam Trip de jornalistas traça dois objetivos. Primeiro, permitir aos profissionais da imprensa o contacto com o país, longe da pressão das comitivas e agendas oficiais, permitindo-lhes fruir uma oferta cultural secular. O segundo objetivo, promover o contacto com o tecido empresarial, autoridades e mercado emissor de turismo, afim de aferir o enorme potencial consumidor do segundo maior produtor da OPEP e da segunda maior reserva mundial de gás natural”, frisa Tomaz Metello.