Fátima: 12 de maio com 100% de ocupação

Fátima: 12 de maio com 100% de ocupação

Há muito tempo que Fátima não rendia tanto. É este o cenário apresentado pela ACISO – Associação Empresarial de Ourém-Fátima, que faz um balanço extremamente positivo do primeiro semestre deste ano, impulsionado pela visita do Papa Francisco a Portugal, no passado 12 de maio, no âmbito das comemorações do Centenário das Aparições de Fátima. “Este ano, provavelmente, Fátima atingirá um milhão de noites”, reforçou esta terça-feira, 11 de julho, o vice-presidente da ACISO, Alexandre Marto, em conferência de imprensa.

De 9 a 15 de maio, a ACISO verifica um crescimento global de 7,51% face ao ano anterior, com as vendas no alojamento a gerar lucros de cerca de 4,5 milhões. Só na noite de 12 de maio, a taxa de ocupação nos estabelecimentos hoteleiros rondou os 100%, um marco que resultou num aumento de 8% face a 2016.

No mesmo período, de acordo com a análise que a ACISO fez junto dos agentes económicos de Fátima, o preço médio por quarto situou-se nos 92 euros em 80% das unidades hoteleiras inquiridas.

A associação virou também as atenções para os principais mercados, onde o Brasil se destaca como o país com maior número de noites, seguido dos Estados Unidos, Coreia do Sul e Espanha. Para contornar o aumento da procura, a globalidade dos hotéis reforçou os recursos humanos.

Também na restauração foi sentido este pico da procura e foi necessário reforçar não só os profissionais como o stock de produtos alimentares. O número de refeições aumentou 39% face a 2016, com receitas na ordem dos 1,5 milhões. Ainda que, em menor proporção, as vendas estimadas aumentaram 37%.  Neste indicador, Espanha destaca-se como o mercado com maior importância, seguido do Brasil e Inglaterra.

No que diz respeito ao comércio, a ACISO mostra um aumento de 53% das vendas em relação a 2016, concentradas nos mercados português e espanhol. Dessas vendas, 47% correspondem a artigos religiosos. Para dar resposta à procura, assistiu-se também neste setor de atividade um aumento dos recursos humanos e abastecimento dos stocks.

Em relação ao volume de vendas, estima-se que os agentes económicos tenham retido 10,5 milhões de euros durante este período. Se olharmos para as medidas adotadas, o reforço dos profissionais foi a preocupação mais premente.

De referir ainda que, “depois do eixo Lisboa-Cascais, Porto-Gaia e do Algarve-Madeira, este é o primeiro destino de Portugal que não depende do sol e da praia e tem um produto completamente diversificado e irreplicável”, refere o vice-presidente da ACISO. “É um ativo extremamente importante para o país e ainda mais para o Centro”, diz, ao qual acrescem os preços médios, a ocupação (fixada nos 28%) e estadias médias “muitos baixas e que temos de combater”.

Coreia do Sul está a crescer
Considerando os dados do INE – Instituto Nacional de Estatística relativos a 2015, que mostram um franco crescimento das dormidas em Fátima, a ACISO prevê que tenham sido ultrapassadas as 800 mil noites durante o ano passado, um aumento de 75 pontos percentuais. No total, este valor representa mais de 15% das noites na região Centro de Portugal, onde se incluem outros 99 municípios.

Alexandre Marto revela também que, em termos de dormidas, 70% dos números registados correspondem a turistas estrangeiros, frisando “crescimentos excecionais” do mercado coreano.

*As estatísticas apresentadas são extrapolações da ACISO para o período de 9 a 15 de maio de 2017