INE: Páscoa impulsiona atividade na hotelaria

INE: Páscoa impulsiona atividade na hotelaria

A hotelaria registou 1,9 milhões de hóspedes e 5,1 milhões de dormidas em abril de 2017, a que corresponderam variações de 20,2% e 23,2% (0,2% e -1,0% em março de 2017, respetivamente). As dormidas de residentes aumentaram 26,3% (-11,4% em março) e as de não residentes aumentaram 22,1% (3,3% em março), segundo os dados hoje divulgados pelo INE, referentes ao mês de abril de 2017.

A estada média (2,70 noites) cresceu 2,5% e a taxa de ocupação-cama (53,8%) aumentou 8,9 p.p. Os proveitos aceleraram notavelmente e registaram crescimentos expressivos. Os proveitos totais aumentaram 29,1% (9,2% no mês anterior), tendo atingido 267,1 milhões de euros. Os proveitos de aposento atingiram 192,6 milhões de euros e apresentaram um crescimento de 32,3% (8,3% em março). Estes resultados foram influenciados pelo efeito de calendário associado ao período da Páscoa, que em 2017 ocorreu em abril, enquanto no ano anterior tinha sido em março.

Efeito de Páscoa faz acelerar hóspedes e dormidas
Em abril de 2017, a hotelaria alojou 1,9 milhões de hóspedes que proporcionaram 5,1 milhões de dormidas (+20,2% e +23,2%, respetivamente), evoluções que contrastam com as observadas em março (+0,2% e -1,0%,
respetivamente). Entre janeiro e abril os hóspedes aumentaram 10,9% e as dormidas 11,2%.

As dormidas em hotéis (68,8% do total) apresentaram um crescimento de 24,1%. Registaram-se aumentos nas
dormidas em todas as tipologias, com destaque para a evolução verificada nos aldeamentos turísticos (39,9%) e nas Pousadas (32,4%).

Aceleração nas dormidas quer de residentes, quer de não residentes
O mercado interno contribuiu com 1,3 milhões de dormidas, que representaram um crescimento de 26,3% (-11,4% em março). Os mercados externos também aceleraram, mas com um aumento um pouco menor (22,1% em abril; 3,3% em março), atingindo 3,7 milhões de dormidas. Nos quatro primeiros meses de 2017, as dormidas de residentes aumentaram 5,9% e as de não residentes 13,3%.

Mercado espanhol sensível à Páscoa
Os 13 principais mercados emissores representaram 84,9% do total das dormidas de não residentes e apresentaram resultados maioritariamente positivos. As dormidas de hóspedes residentes no Reino Unido (21,3% do total de dormidas de não residentes) apresentaram um aumento de 12,7% em abril, superior ao verificado nos primeiros quatro meses do ano, que se situou em 8,1%.

O mercado alemão (14,6% do total) cresceu 20,5% em abril, apresentando um crescimento de 10,7% no primeiro quadrimestre do ano. O mercado espanhol (11,8% do total), tradicionalmente sensível ao “efeito Páscoa”, apresentou um expressivo crescimento de 102,5%. No total do período entre janeiro a abril, verificou-se um crescimento de 7,7%.

As dormidas de residentes em França (10,5% do total) desaceleraram para um aumento de 2,0%, após aumentos significativos nos três primeiros meses do ano (23,0% em março, 15,8% em fevereiro e 13,8% em janeiro). Nos primeiros quatro meses do ano este mercado cresceu 10,5%.

Entre os principais países, destacam-se ainda os crescimentos apresentados em abril pelos mercados brasileiro (61,0%), polaco (49,8%), irlandês (30,3%), belga (22,6%) e americano (22,0%). Estes mercados também se destacaram na evolução entre janeiro e abril, especialmente o Brasil (60,5%) e a Polónia (39,4%).

Aumento generalizado das dormidas nas várias regiões
Observou-se um aumento generalizado das dormidas nas várias regiões do país, destacando-se os crescimentos verificados nas regiões Centro (37,3%), RA Açores (30,6%) e Algarve (28,8%). As dormidas distribuíram-se principalmente pelo Algarve (33,1% do total) e AM Lisboa (25,5%). No conjunto dos quatro primeiros meses do ano todas as regiões apresentaram crescimentos, com destaque para a RA Açores (17,6%) e AM Lisboa (15,2%).

Em abril, em termos de aumentos nas dormidas de residentes, destacou-se o Algarve (64,9%) e a RA Açores (34,9%). No período entre janeiro e abril as evoluções nestas duas regiões também se evidenciaram (10,1% e 21,6%, respetivamente).

Atendendo aos mercados externos, salientaram-se os desempenhos nas regiões Centro (51,4%) e Norte (31,2%), tendo o Centro beneficiado, por antecipação, da visita do Papa no mês seguinte. No conjunto dos quatro primeiros meses do ano, todas as regiões apresentaram aumento da procura por parte dos mercados externos, sobressaindo, de novo, o Centro (25,6%), mas também a AM Lisboa (18,4%) e o Norte (17,7%).

Estada média aumentou
A estada média (2,70 noites) aumentou 2,5%, com crescimentos mais notórios no Centro (6,9%) e Algarve (5,9%). A RA Madeira (-1,3%) foi a única região com decréscimo neste indicador, apesar de evidenciar a estada média mais elevada (4,95 noites).

Taxa de ocupação também com crescimento
A taxa líquida de ocupação-cama (53,8%) apresentou uma variação de +8,9 p.p. e cresceu em todas as regiões. As taxas de ocupação mais elevadas ocorreram na RA Madeira (74,0%) e AM Lisboa (66,3%). Registaram-se aumentos muito significativos nas taxas de ocupação no Algarve (+10,3 p.p.) e Centro (+10,2 p.p.).

Proveitos em aceleração
Os proveitos totais atingiram 267,1 milhões de euros e os de aposento 192,6 milhões de euros, com assinaláveis aumentos de 29,1% e 32,3%, respetivamente, distanciando-se do mês anterior (9,2% e 8,3%, respetivamente). Todas as regiões apresentaram aumentos nos proveitos, com maior evidência na RA Açores (38,5% nos proveitos totais e 37,3% nos de aposento), Centro (32,0% e 42,8%) e Norte (33,4% e 36,5%).

O rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) foi 46,2 euros, que se traduziu num aumento de 29,9% em abril (6,7% em março).

Na AM Lisboa e na RA Madeira o RevPAR ascendeu a 75,6 euros e 58,0 euros, respetivamente. Destacaram-se os aumentos no Centro (45,3%), Norte (36,1%) e Algarve (31,4%).

A evolução do RevPAR foi globalmente positiva, com destaque para os apartamentos turísticos (33,1%) e hotéis (30,6%). Os hotéis de cinco estrelas destacaram-se com RevPAR de 91,8€.

Parques de campismo e colónias de férias com crescimento
Em abril de 2017, os parques de campismo registaram 111,6 mil campistas (+44,7%) e 330,1 mil dormidas (+37,2%). Para o aumento das dormidas contribuíram quer o mercado interno (+43,2%), quer os externos (30,0%). Os residentes em Portugal predominaram, representando 57,0% do total de dormidas. A estada média foi 2,96 noites (-5,2%).

As colónias de férias e pousadas de juventude registaram 31,6 mil hóspedes (+34,5%) e 58,9 mil dormidas (+35,8%). O mercado interno representou 74,0% das dormidas totais e cresceu 38,2%, enquanto os mercados externos aumentaram 29,3%. A estada média (1,87 noites) apresentou um ligeiro aumento (0,9%) com o contributo positivo apenas dos residentes em Portugal (4,8%), uma vez que relativamente aos hóspedes vindos do estrangeiro houve uma diminuição de 10% na duração da estada média.