Mosteiro de Santa Clara-a-Nova na lista de edifícios a concessionar a privados

Mosteiro de Santa Clara-a-Nova na lista de edifícios a concessionar a privados

Categoria Advisor, Política

O Mosteiro de Santa Clara-a-Nova, em Coimbra, integra uma primeira lista de 10 edifícios que, até ao final deste ano, vão ser concessionados a privados, com o compromisso de que sejam recuperados, reabilitados e acessíveis ao público. Nesta quarta-feira, dia 28, em Coimbra, o Governo irá anunciar estes 10 edifícios que integram a lista de imóveis durante a apresentação do Revive, programa interministerial que pretende valorizar o património ao abandono.

O ponto mais alto das comemorações do Dia Mundial do Turismo promovidas pela Turismo Centro de Portugal, será a apresentação do programa conjunto dos ministérios da Economia, da Cultura e das Finanças que arranca com uma visita ao Mosteiro de Santa Clara-a-Nova, seguindo-se uma sessão formal no Convento São Francisco, onde as principais linhas do Revive serão reveladas pelos secretários de Estado do Turismo, secretária de Estado da Cultura e secretário de Estado Adjunto do Tesouro e das Finanças.

A apresentação do programa contará com as presenças do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, da secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, do secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, do secretário de Estado Adjunto do Tesouro e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, do presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado, e do Presidente da Centro de Portugal, Pedro Machado.

A Semana do Turismo que decorre até ao dia 1 de outubro assenta no apoio à inclusão de todos para todos e será comemorada por todo o território da região Centro de Portugal, nomeadamente nos postos de turismo, onde decorrerão diversas atividades.

Segundo uma nota da Turismo Centro, o Governo lançou na passada semana duas linhas de financiamento, inseridas no programa “All for All”, no valor global de cinco milhões de euros, para promover a adaptação dos espaços públicos e turísticos a pessoas com deficiência.

“Por forma a permitir a preparação e a capacitação dos destinos em receberem todas as pessoas, em igualdade de circunstâncias, o programa ‘All for All’ dirige-se aos agentes públicos e a todos os empresários do setor, sendo que uma das linhas do programa visa o apoio à adaptação dos espaços públicos, e a outra apoia a reconversão e adaptação de hotéis, alojamento turístico, restauração e animação turística”.

Também neste âmbito, a Turismo do Centro de Portugal apresentará na sessão do Convento de São Francisco o projeto “BRENDAIT – Building a Regional Network for the Development of Accessible and Inclusive Tourism” – um projeto-piloto que está a ser desenvolvido na região Centro de Portugal no âmbito da acessibilidade e da inclusão social de todos os seres humanos no turismo.

Este projeto visa a construção de uma rede de Turismo acessível e inclusivo num território teste localizado em 8 municípios do litoral oeste (Alcobaça, Batalha, Caldas da Rainha, Lourinhã, Nazaré, Óbidos, Peniche e Torres Vedras).

Será ainda apresentado pela Turismo Centro de Portugal o projeto “Património Mundial da Humanidade do Centro”, que tem como base os elementos patrimoniais sediados na região Centro que integram a lista de Património da Humanidade da UNESCO: o Convento de Cristo em Tomar, o Mosteiro de Alcobaça, o Mosteiro da Batalha e a Universidade de Coimbra – Alta e Sofia, podendo integrar complementarmente outros recursos patrimoniais de relevância internacional, tais como vestígios da romanização (Conímbriga e Centum Cellas), património associado às ordens religiosas e monumentos de caráter militar.

O projeto “Lugares Património Mundial do Centro”, com o horizonte temporal de 2016-2018, “traduz-se numa iniciativa de turismo cultural inovadora, agregadora e atrativa, que utiliza como instrumentos fundamentais a apropriação, a programação cultural, a mediação e a comunicação ao serviço da qualificação da experiência turística e da competitividade da economia regional”, garante a Turismo Centro.

Os municípios de Alcobaça, Batalha, Coimbra, Tomar, a Universidade de Coimbra e o secretário de Estado da Cultura, através da Direção Geral do Património Cultural e da Direção Regional de Cultura do Centro constituem-se como parceiros para a execução desta operação, “tendo um papel preponderante no estabelecimento de redes de colaboração com o sistema cultural, criativo e turístico presente nos territórios”.