Portugal recebeu mais de 28 milhões de turistas internacionais em 2016

Portugal recebeu mais de 28 milhões de turistas internacionais em 2016

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou esta quinta-feira, dia 7, os resultados do Inquérito ao Turismo Internacional, onde se estima que em 2016 tenham entrado em Portugal 18,2 milhões de turistas. A este número acrescem ainda 10,1 milhões de entradas de excursionistas (visitantes sem dormida), atingindo-se assim um total de 28,3 milhões de entradas de visitantes.

De acordo com os resultados, apresentados por Cristina Neves, diretora do Departamento de Estatísticas Económicas do INE, Espanha (com25,5% do total), Reino Unido (com 17,2%) e França (14,7%) ocupam os lugares cimeiros do top de mercados emissores do turismo em Portugal.

Os dados, divulgados durante uma cerimónia que contou com a presença da secretária de Estado do Turismo Ana Mendes Godinho, foram divididos em duas categorias: os turistas, que dormiram pelo menos uma noite em Portugal, e os excursionistas, que visitaram o país sem pernoitarem.

Das 28,3 milhões de entradas no país, quase metade (47,6%) foram feitas por via aérea. Por via terrestre chegaram 26,8% dos turistas e 88,8% dos excursionistas. Destas entradas, os inquéritos revelam ainda que 71,3% ocorreram em repetição face a ocasiões anteriores. A opção pela vinda a Portugal foi uma 1ª escolha em 16,1 milhões de entradas de turistas (88,2% do total).

Segundo os dados do INE, verificou-se ainda que 70,3% das entradas de turistas não residentes foram motivados por lazer, recreio ou férias, enquanto 19,9% tiveram por objetivo principal a visita de familiares e amigos. Por motivos profissionais, os resultados estimam apenas 7,7% das entradas.

Entres as várias regiões do país, a Area Metropolitana de Lisboa e o Algarve foram as preferidas (em termos de estadias), respetivamente, em 31,1% e 26,3% das entradas de turistas.

O gasto médio diário per capita dos turistas que entraram em Portugal ao longo do ano de 2016 situou-se nos 95,7 euros. Deste valor médio, regista-se um valor mais elevado naqueles que entraram via aérea e que gastaram em média 102,5 euros por dia, contrastando com os 61,4 euros gastos pelos que entraram via estrada. Relativamente a mercados, destaque ainda para o Brasil e Estados Unidos que gastaram, em média, 166,3 euros e 146,1 euros por dia, respetivamente.

Contas feitas, o INE estima ainda que os turistas não residentes em Portugal tenham gasto no ano passado, um total de 15,3 mil milhões de euros em despesas associadas à viagem.

Ricardo Ramos Gonçalves