Procura turística do Centro de Portugal cresce três vezes mais que a média nacional

Procura turística do Centro de Portugal cresce três vezes mais que a média nacional

O mês de julho voltou a ser extremamente positivo para a atividade turística no centro de Portugal. Os resultados preliminares, publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), mostram que, em alguns indicadores, a região está a crescer três ou quatro vezes mais que a média nacional. E isto apesar dos incêndios florestais, que se fizeram sentir em força.

O INE indica que, em julho deste ano, houve um aumento de 13,3% no total de dormidas em hotelaria, em comparação com julho de 2016. Este aumento é particularmente expressivo quando comparado com o crescimento nacional no mesmo período, que foi de 4,7%. Ou seja, as dormidas no centro de Portugal aumentaram três vezes mais do que a média nacional. Em valores absolutos, registaram-se 626 mil dormidas em julho no Centro de Portugal, mais 73,3 mil do que no mesmo mês do ano anterior.

A impulsionar os números está a procura por parte de turistas estrangeiros. No período em análise, as dormidas de não residentes no centro dispararam 25,5%, para 319,8 mil. Foi, aliás, a região que mais cresceu neste indicador: quase cinco vezes mais que a média nacional, que foi de 5,4%. Já as dormidas de cidadãos nacionais totalizaram 306,3 mil – uma subida de 2,8%.

A nível do número de hóspedes, estes totalizaram 325.984 em julho. Uma variação de 13% relativamente a julho do ano passado. Considerando os dados acumulados no período janeiro-julho de 2017, o centro de Portugal apresenta um acréscimo de 14,9% nas dormidas (face a 8,5% de crescimento médio nacional).  Nestes sete meses, as dormidas de não nacionais progrediram 28,2% (face a 10,2% na média nacional).

E os bons resultados nas dormidas têm, naturalmente, reflexo positivo nas receitas. Entre julho de 2016 e julho de 2017, há a registar um forte crescimento nos proveitos totais (14,3%) da atividade turística no centro, assim como na taxa de ocupação, que subiu 5%. Entre os meses de janeiro a julho, há um crescimento de 19,1% nos proveitos totais. “Este crescimento, notório em todos os indicadores, é um forte sinal de que a estratégia seguida pelos intervenientes na área da atividade turística do centro de Portugal é a correta e está a dar frutos”, afirma a entidade em comunicado.