Volta Nacional: “Tecnologias de informação e turismo vão ter maior procura em 2017”

Volta Nacional: “Tecnologias de informação e turismo vão ter maior procura em 2017”

Diário de Notícias

“Tecnologias de informação e turismo vão ter maior procura em 2017”

“O mercado laboral português estagnou há uns anos, as empresas reduziram as suas estruturas de recursos humanos e esqueceram-se de planear o futuro. Quando o mercado voltou a abrir, fê-lo de forma muito rápida e as instituições não estavam preparadas. Hoje custa-lhes encontrar certos profissionais”, é desta forma que SandrineVeríssimo, diretora regional da Hayes, justifica a crescente procura, sem oferta correspondente, de profissionais de tecnologias de informação. Existem aina vários setores nos quais a procura vai continuar a aumentar, sobretudo “no turismo, nos que estão diretamente ligados ao investimento direto estrangeiro”, explica Carla Rebelo, diretora-geral da Adecco.

“Assim que se abre um espaço, ele é imediatamente tomado pelas pessoas”

Fernando Medina diz que se há coisa que muda quando se ocupa o cargo de presidente da Câmara, é a “forma como se olha para a cidade”. E logo a seguir deixa uma afirmação que confirma isso mesmo: onde o comum munícipe vê um estaleiro de obras, o trânsito que se demora e os peões em ziguezagues entre os espaços ainda vedados, o Presidente da Câmara já vê um “grande contínuo pedonal” que há de ligar o Largo de Santos ao Campo das Cebolas. Fernando Medina garante que a maioria das obras estarão prontas até final de fevereiro.

 

Jornal i

“Restaurantes Michelin. Comer está na moda: entretém e é ótimo material para Instagram

Comer está na moda, porque também entretém. Não foi tendência de 2016, nem será novidade de 2017. Mas hoje há um prazer crescente por gastronomia: é “lifestyle” e proporciona bons momentos de fotografias para partilhar com os amigos que estão longe desta requintada mesa farta.

Correio da Manhã

“Petição exige abertura de base aérea a voos civis”

A visita a Fátima do Papa Francisco, que deve chegar de avião à Base Aérea de Monte Real (BA5) e seguir de carro para o Santuário, nos próximos dias 12 e 13 de maio, fez renascer o desejo de empresas e entidades locais de promoverem a abertura daquela infraestrutura militar à aviação civil. Numa petição, que em poucos dias já leva mais de 400 subscritores, é pedido que a BA5 “seja dotada de infraestruturas necessárias para permitir a regular utilização por partes de aviões civis e comerciais”.