46% dos hoteleiros consideram as novas tecnologias imprescindíveis para o sucesso do seu negócio

46% dos hoteleiros consideram as novas tecnologias imprescindíveis para o sucesso do seu negócio

46% dos hoteleiros entendem a tecnologia como uma necessidade, não como um valor acrescentado, enquanto 49% consideram que já adotaram as tecnologias apropriadas para os seus estabelecimentos. Conjuntamente (95%), a esmagadora maioria reconhece que mudou o seu ponto de vista sobre a implementação de melhorias tecnológicas nas suas empresas nos últimos anos e apenas 5% não acham prioritário implementar novas tecnologias ou não estão dispostos a explorá-las.

Esta é uma das primeiras conclusões do novo estudo da SiteMinder sobre as tendências tecnológicas que os hotéis estão a pôr em foco para serem implementadas ainda este ano e nos seus planos futuros.

A SiteMinder pediu aos hoteleiros, quer aos grupos quer aos alojamentos independentes, em todas as regiões do mundo, para avaliarem as suas prioridades, desafios, estratégias e perceções nos planos de distribuição, os orçamentos, a contratação de pessoal, a implementação de novas ferramentas tecnológicas e o sucesso que esperavam obter no futuro.

O relatório Global Hotel Business Index 2018 revela os principais impulsores de sucesso para os hotéis em todo o mundo e considera a tecnologia móvel e a conetividade como as tendências que já estão a ser implementadas.

Outra das questões colocadas aos hoteleiros está relacionada com o uso da tecnologia nos seus negócios. Dois em cada três hoteleiros (63%) consideram prioritária a adoção de novos sistemas de mobilidade e conetividade nos seus estabelecimentos. É o resultado de somar a implementação de tecnologias móveis (33% dos hotéis), Internet das Coisas (20%) e tecnologias de conectividade in-room (10%). Estas últimas incluem serviços como Smart TV, gestão automática da iluminação ou carregador de telefone sem cabos. 5% adicional trabalham na integração de sistemas de realidade virtual, inteligência artificial e reconhecimento facial e de voz combinados.

No que diz respeito ao investimento, 68% dos hoteleiros consideram prioritário destinar parte do orçamento a renovar o estabelecimento, 61% a investir em marketing digital e 56% a optimizar o seu channel management. No entanto, apenas 17% crêem como importante dedicar recursos económicos a tecnologia de reconhecimento facial do cliente.

Os hoteleiros tiveram a oportunidade de comentar livremente a sua visão da tecnologia na indústria hoteleira e como prevêem usá-la. Algumas das respostas foram: “Estamos a tentar usar novas tecnologias, mas temos que manter o nosso mercado em mente. O nosso público objetivo é 50+ e, por isso, nem sempre podemos ser tão inovadores quanto gostaríamos”. Outra das afirmações dos hoteleiros foi: “Estamos a analisar a automatização do nosso processo de reserva e também a desenvolver um chatbot para consultas gerais em linha”. “Queremos investir em tendências tecnológicas que perdurem e garantir que essa tecnologia funcione como deveria em todo o momento”, é outra das ideias.