À descoberta de Israel: A Terra Santa e uma cidade que não dorme

À descoberta de Israel: A Terra Santa e uma cidade que não dorme

Categoria Destinos, Explore

A EL AL Israel Airlines, companhia israelita representada em Portugal pela ATR, organizou um seminário sobre o Turismo de Israel, nomeadamente sobre o turismo religioso na Terra Santa e o turismo de lazer que o país também oferece, onde a Ambitur.pt aprendeu mais sobre o destino.

Em Lisboa o evento contou com a presença de cerca de 80 agências de viagens e seguiam-se sessões em Coimbra e no Porto. Walter Wasercier, diretor ibérico da EL AL, revelou: “Esta é uma experiência inovadora porque é o primeiro seminário, propriamente, de turismo religioso com enfoque no passado, no presente e no futuro. Estamos a falar de uma inauguração daqui a duas semanas, do Saxum, estamos a falar do projeto Magadala que tem quatro ou cinco anos, e portanto queríamos apresentar o Israel antigo, o Israel presente e o Israel futuro.”

Israel e Tel Aviv 

Muito discreto entre o Egito e a Jordânia, fazendo também fronteira com a Síria e o Líbano, encontra-se o “pequeno grande país” de Israel, uma terra de contrastes “com o deserto por um lado e uma cidade que nunca dorme”, descreve o responsável da EL AL. Com quase nove milhões de habitantes e 22 mil quilómetros quadrados, é banhado pelo Mar Mediterrâneo, Mar Morto, Mar Vermelho e o Mar da Galileia.

Tel Aviv é a maior cidade do país, com quase um milhão de habitantes, e é também “a cidade que não dorme” com toda uma vida noturna por descobrir. Além disso, a praia em Tel Aviv é considerada uma das praias mais bonitas do Médio Oriente e uma das melhores do Mediterrâneo. Em maio, Tel Aviv recebe o Festival da Eurovisão 2019 e em junho é a vez da Parada do Orgulho Gay, com a cidade israelita a ser uma das dez cidades LGBT mais visitadas do mundo.

A Terra Santa e o turismo religioso

A Organização Mundial de Turismo (OMT) estima que a fé mova cerca de 300 milhões de pessoas por ano, o que equivale a 18 mil milhões de dólares, e projeta que tais valores se vão duplicar no futuro. É que o sentimento religioso “atrai pessoas de todo o mundo, de diferentes estratos sociais e classes económicas”, atenta Walter Wasercier, diretor ibérico da EL AL.

“O turismo religioso é um segmento com muitas possibilidades” e “a Terra Santa é uma parte muito importante e portanto uma oportunidade de negócio para as agências de viagens que podem começar com Israel e continuar com outros destinos”, continua.

Já para não falar de que, em muitas religiões, “a peregrinação é um mandamento. Uma forma de sanar a alma e pedir perdão pelos pecados cometidos”, refere Walter, notando-se uma tendência para as viagens individuais, como por exemplo os Caminhos de Santiago.

Jerusalém, uma das cidades mais antigas do mundo, é também conhecida como a Terra Santa e muitos peregrinos e turistas dizem por ali passar por ser “um sonho”, para “caminhar onde Jesus caminhou” ou para “ver Jerusalém antes de morrer”. Visitam o famoso Muro das Lamentações e o Monte das Oliveiras com a Igreja de Todas as Nações, entre outros monumentos religiosos.

Magdala

A pequena aldeia piscatória de Magdala, situada no Mar da Galileia, terá sido o lugar onde nasceu Maria Madalena e, como tal, é visitada por muitos peregrinos. E foi assim que nasceu o centro Magdala, que inclui uma  guesthouse com 142 quartos e suítes (14), centro de visitas, sala de conferências, restaurante, ginásio e piscina.

Mas o que atraí mais os peregrinos e turistas até ali é o parque arqueológico onde se encontra a sinagoga de Magdala, a mais antiga escavada na Galileia e uma das sete sinagogas do primeiro século em Israel. O projeto construiu ainda o chamado Duc In Altum, — que na Bíblia significa “lançar-se no abismo” ou “ir para águas profundas” –, que é já considerado “o centro espiritual mais único na Terra Santa”. O Duc In Altum inclui:

Boat Chapel (Capela do Barco) – um altar único em forma de barco, com vista para o Mar da Galileia;

Women’s Atrium (Átrio das Mulheres) – um tributo às mulheres presentes na Bíblia. O átrio conta com oito pilares, sete dos quais representam figuras femininas do Evangelho enquanto o 8.º homenageia as mulheres de fé de todos os tempos;

Mosaic Chapels (Capelas de Mosaico) – são quatro capelas, cada uma com um mosaico que ilustra um evento bíblico que decorreu próximo do Mar da Galileia;

Encounter Chapel (Capela do Encontro) – o piso é do mercado do primeiro século do porto de Magdala. Foi no mercado que Jesus encontrou uma mulher com uma hemorragia e curou-a, quando esta lhe tocou na bainha. Ali encontra-se uma bonita pintura mural desse encontro.

Saxum Visitor Center 

O Saxum Visitor Center, da Opus Dei, inaugura em fevereiro em Abu Gosh, Jerusalém. O seu propósito é ajudar os peregrinos e os mais curiosos a aprofundar os seus conhecimentos sobre a Terra Santa, através de diferentes recursos multimédia, nomeadamente de uma enorme e riquíssima Timeline com todos os acontecimentos descritos na Bíblia.

É no Saxum que tem início o Caminho de Emmaus (lugar bíblico), com acompanhamento de um guia turístico. O centro tem também um auditório para palestras e uma capela com missas.

Rita Inácio