À mesa com… a Chef Ana Moura

À mesa com… a Chef Ana Moura

A Chef Ana Moura nasceu em 1984 em Lisboa. Os principais responsáveis pela paixão que hoje tem pela cozinha foram os seus pais. “Graças a eles aprendi a apreciar todo o tipo de comida”, sublinha. Mas foi em 2008 que descobriu realmente o “mundo da cozinha”. Após a conclusão da formação na Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa, fez o estágio no restaurante Eleven onde foi convidada para trabalhar mais dois anos. Na altura, foi o Chef Koerper quem a convidou para trabalhar. O desafio voltou a surgir quando o Chef convida Ana Moura para ser responsável, durante seis meses, pelo restaurante El Arambol, Ampudia, em Espanha. Após várias viagens, já passou por diversos restaurantes o que permitiu à Chef ter um vasto conhecimento sobre o ramo e confirmar as responsabilidades que a cozinha requer. Considera que o trabalho de equipa é essencial e hoje é a Chef da “Bacalhoaria Moderna”, um projeto que “abraça com muito carinho”.

Línguas de Bacalhau com Pil-Pil

Qual o seu prato preferido … “Não é por estar à frente da Bacalhoaria Moderna mas diria Línguas de Bacalhau com Pil-Pil e salada de coentros”.

Qual o primeiro prato que cozinhou, quando e para quem … “Sinceramente, não me recordo mas muito provavelmente terá sido para a minha irmã. Costumávamos ver programas de cozinha juntas e depois eu ia experimentar na cozinha. Acho que a primeira coisa que fiz para ela devem ter sido alguns bolos: pastéis de nata, tortas de laranja e afins”.

Onde vai buscar inspiração para cozinhar … “Vou buscar inspiração a vários lugares, livros, restaurantes, memórias, lugares. Tudo isto tem a capacidade de me inspirar enquanto Chef”.

Um restaurante a não perder e porquê … “Uma pergunta mesmo difícil. Existem tantos que gosto que se torna complicado eleger um. Acho que depende muito do momento e do ambiente que procuro. Se disser um onde vou recorrentemente, diria o Boi Cavalo”.

The Artist Porto Hotel

O último hotel onde esteve hospedada e que impressões ficaram … “Por norma, não costumo ficar muitas vezes hospedada em hotéis. No entanto, ficou-me na memória o The Artist Porto Hotel & Bistro. Um hotel extremamente simpático com um staff muito atencioso. Gostei dos pormenores do hotel. Muito cuidado e com uma acessibilidade ótima para mim já que era mesmo junto à Escola de Hotelaria e Turismo do Porto”.

O que não pode faltar numa cozinha … “Resposta fácil. Um fogão, panelas, colheres. O resto é trabalho e muita imaginação”.

Quais os ingredientes que nunca faltam nos seus pratos … “Sem dúvida alho, cebola e ervas aromáticas”.

O que não pode faltar a um Chef para ter sucesso … “Acima de tudo, um bom Chef tem de ser alguém que tenha sempre vontade de evoluir e aprender de forma a aperfeiçoar o seu trabalho”.

O que prefere cozinhar: sobremesas, peixe, carne, entradas … “De tudo um pouco. Não consigo especificar algo em particular. Adoro cozinhar sobremesas, pratos de peixe, de carne e algumas entradas”.

Qual a melhor cozinha para si e porquê … “Para mim, não existe uma cozinha melhor. Acima de tudo, para mim o mais interessante é conseguir ver o melhor que cada tipo de cozinha tem para oferecer”.

Bacalhoaria Moderna
A Bacalhoaria Moderna abriu as portas no dia 1 de fevereiro de 2019 na Rua S. Sebastião da Pedreira, nº 150, em plena Lisboa. Um projeto onde a Chef (de cozinha) Ana Moura tem uma equipa de quatro pessoas. É um restaurante de inspiração marítima com um dos melhores produtos nacionais (Bacalhau). A Chef sugere as “Línguas de Bacalhau com gema de ovo” ou, então, um “Bacalhau com couves de Bruxelas e molho de galinha assada”, rematando com uma “tarte de queijo com toffee”.

Este artigo foi publicado na edição 320 da Ambitur.