ACISO: “Fátima é hoje um destino muito bem preparado para receber os clientes em segurança”

ACISO: “Fátima é hoje um destino muito bem preparado para receber os clientes em segurança”

Categoria Advisor, Associativismo

A Ambitur.pt tem vindo a auscultar as várias associações nacionais no sentido de saber qual a atual situação dos seus associados perante a pandemia da Covid-19. Em mais uma ronda, Purificação Pereira Reis, presidente da direção da ACISO (Associação Empresarial Ourém – Fátima), confirma que o desconfinamento tem sido “gradual e pautado por um forte envolvimento e empenho na preparação dos estabelecimentos para receber os clientes de forma protegida e segura”. E garante que ´”Fátima, e todo o concelho de Ourém, é hoje um destino muito bem preparado para receber os clientes em segurança e com elevado nível de proteção”.

Sendo um destino turístico que depende cerca de 70% de clientes internacionais, que estão condicionados ou impedidos de viajar, a dirigente associativa admite ainda se verificar um número “muito reduzido” de turistas, o que conduz a aberturas pontuais dos estabelecimentos, quer sejam hotéis, restaurantes ou mesmo comércio. E estas aberturas são efetuadas em função das reservas existentes, pelo que existe um número significativo de situações em que a decisão de encerramento se mantém, por falta de procura.

No entanto, Purificação Pereira Reis acredita que “o mercado nacional retome, embora de forma gradual, o que poderá melhorar um pouco o contexto geral. Mas recorda que se trata somente de 30% dos clientes totais e destes, muitos ainda irão condicionar as suas viagens, “o que não nos permite ser muitos otimistas”. A responsável sublinha contudo que “estamos bem preparados para os receber e esperamos que haja essa dinâmica de viajar cá dentro e em segurança”. Já quanto ao mercado internacional, a ACISO estima que a retoma estará ainda condicionada por um período de tempo muito mais longo, exceto se surgirem indicadores mais animadores do controlo internacional da pandemia.

Da parte do Governo, a associação frisa que “é indispensável a continuidade, e mesmo reforço, de medidas de apoio que protejam o emprego e as empresas, e que lhes permitam aguentar todo este período de tempo em que estarão com encargos fixos elevados e sem faturação ou com níveis de faturação residuais face aos encargos”. As áreas fundamentais continuam a ser o apoio ao emprego e o alívio fiscal.

Purificação Pereira Reis lembra que o turismo foi, e continuará a ser, um dos setores mais afetados e que Fátima, enquanto destino de turismo religioso, pelas suas características – nomeadamente, elevada dependência do mercado internacional, mercado muito sustentado na tour operação e grande expressão do turismo sénior – será, dentro dos destinos turísticos, um dos mais afetados e durante mais tempo.