Adegas do Pico: Experiências autênticas em casas rurais açorianas

Adegas do Pico: Experiências autênticas em casas rurais açorianas

Entre o azul do céu ou do mar e o verde das montanhas, 14 casas localizadas na Praínha, na ilha do Pico, oferecem aos hóspedes todo o calor da hospitalidade das gentes dos Açores e um sem-fim de experiências.
O cenário não podia ser mais idílico. Numa aldeia arrumada em anfiteatro, que dá pelo nome de Praínha, situada na ilha do Pico, 14 casas de turismo rural construídas em pedra de lava estão à sua espera para uma estadia de conforto e bem-estar, em contacto com a Natureza. Tudo começou há cerca de 20 anos com a visão pioneira de D. Maria Conceição Serpa, picarota de nascença mas entretanto emigrada na Califórnia, de dar uma nova vida a um conjunto de casas que se encontravam em ruínas e que foram cuidadosamente recuperadas respeitando os vestígios e materiais tradicionais açorianos. O projeto ficou conhecido como Adegas do Pico e nasceu numa altura em que o turismo era ainda incipiente nesta região mas acabou por atrair sempre turistas e visitantes.

Todas as casas, que beneficiam de uma vista ímpar sobre o mar e se deixam envolver pelo verde do ambiente rural, dispõem de tudo o que os clientes poderão precisar para cozinhar, bem como barbecue exterior e TV. Além disso, os hóspedes podem ainda desfrutar de uma zona pública com wi-fi e biblioteca. Os hóspedes podem escolher entre três casas de tipologia T1, sete casas de tipologia T2 e três casas de tipologia T3. Em todas poderá usufruir de serviço de pequeno-almoço, buffet ou individual, e de serviços extra como um “welcome basket”.

Mas o objetivo, mais do que proporcionar alojamentos incríveis com vista sobre o Oceano Atlântico, é também permitir que os hóspedes desfrutem de experiências inesquecíveis. E, para isso, as Adegas do Pico criaram várias sugestões (ver Caixas) para todos os gostos.

Além disso, o facto de as adegas estarem praticamente todas no centro da freguesia são um convite a que o turista visite os seus pontos de interesse cultural, que foram de grande importância para a fixação da população nesta ilha. Aprioridade é fazer com que o hóspede sinta toda a autenticidade de outros tempos, dando-lhe a conhecer os costumes da vida desta ilha e proporcionando um conforto rústico com a calma necessária para um descanso em plena natureza.

Uma aldeia para explorar sem pressas
Fica na ilha do Pico a aldeia da Praínha e convida a descobrir a autenticidade deste destino. Entre ruas e caminhos rurais, habitações de pedra e atafonas, eiras e vinhas, é possível dar de caras com a D. Rosa que, chegada das pastagens, nos brinda com o leite fresco das vacas mais felizes do mundo; ou com o Sr. Leonardo que, regressado da pesca, nos oferece o peixe mais fresco do Atlântico. É no largo da igreja que a população se junta nos dias festivos, para ouvir a filarmónica no coreto e participar na dança das chamarritas. Nos dias de chuva, são as inúmeras ribeiras que ressoam pela Praínha e enriquecem a paisagem com o seu canto vivo. A aldeia dispõe de uma boa oferta de serviços, comércio local e restauração.

Este artigo foi publicado na edição 327 da Ambitur