Adhp: Medidas restritivas não têm em consideração a realidade das operações dos empreendimentos turísticos e alojamentos locais

A Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal (Adhp) demonstra uma vez mais a sua preocupação pela forma atabalhoada como as medidas de controlo da pandemia, apresentadas pelo governo no passado dia 21 de dezembro, não terem em consideração a realidade das operações dos empreendimentos turísticos e alojamentos locais.

Após uma apresentação das primeiras medidas de contenção, em finais de novembro, nas quais o governo frisou que esta antecedência tinha como principal objetivo a “adaptação das empresas e dos seus clientes a esta nova realidade”, a Adhp não compreende o anúncio da “readaptação das mesmas a três dias das refeições de Natal, sem publicação da versão final a dois dias do mesmo”. Além disso, “são medidas que incluem exigências que não dependem do setor e como é do conhecimento geral, não existe capacidade de testagem instalada até ao momento, pondo em causa a realização destes eventos, quando à data, estes empreendimentos já fizeram investimentos em compras e recursos humanos para a sua realização”, lamenta a associação.

Outra preocupação partilhada pela Adhp tem que ver com a penalização aplicada ao alojamento, “o qual é obrigado a manter a apresentação de testes negativos para acesso desde o dia 25 de dezembro interruptamente até dia pelo menos dia 10 de janeiro quando maioritariamente estamos a tratar de uma atividade em que o cliente se encontra isolado na sua unidade de alojamento”.

Para a Adhp, esta relação entre os “empreendimentos e os clientes está, uma vez mais, a ser posta em causa pela constante mudança de regras muito próximo das datas implementação”.