Agentes de viagens e operadores turísticos europeus pedem pragmatismo e aplicação flexível das regras de reembolso

Agentes de viagens e operadores turísticos europeus pedem pragmatismo e aplicação flexível das regras de reembolso

Categoria Advisor, Associativismo

Todos os dias, o surto de Covid-19 está a abrandar ainda mais a economia europeia. As decisões inevitáveis de conter a pandemia de Corona estão a restringir severamente a vida pública e a levar as viagens e o turismo a uma paralisação quase total. Considerando que se trata de uma crise de dimensão ainda imprevista desde o início da integração europeia, os agentes de viagens europeus e a comunidade de operadores turísticos apelam à Comissão Europeia para que continue a dar um forte sinal à indústria europeia de viagens.

É necessário encontrar uma solução rápida para os cancelamentos maciços de viagens em resultado de avisos de viagem negativos e encerramento de fronteiras. O cancelamento de viagens está atualmente a causar uma saída exorbitante de liquidez, o que pode levar à insolvência de milhares de empresas de viagens (agências de viagens e operadores turísticos) num futuro muito próximo.

“Os governos e a indústria estão a trabalhar em conjunto para encontrar soluções práticas tanto para os clientes como para as empresas de viagens, como fornecer aos clientes um voucher para viajar após a crise em vez de reembolsos. Precisamos que a Comissão Europeia conceda esta flexibilidade excecional na aplicação da Diretiva 2015/2302 sobre viagens organizadas e acordos de viagem ligados. Isto é do interesse de todos nós: clientes, empresas de viagens, fornecedores e governos”, afirma Pawel Niewiadomski, presidente da ECTAA – Confederação Europeia das Associações de Agências de Viagens e Operadores Turísticos, acrescentando que “os clientes não têm nada a ganhar, se as empresas de viagens estiverem falidas e não houver dinheiro para reembolsar”.

Além disso, a ECTAA exorta a Comissão a permitir e convidar os Estados-Membros a utilizarem as possibilidades previstas na UE art 107,b, com urgência, para apoiar financeiramente os operadores turísticos, os agentes de viagens, bem como toda a cadeia de valor das viagens (transportes, serviços de alojamento e outros prestadores de serviços).

Tal como na Nova Zelândia, os governos europeus já deveriam considerar a injeção de uma parte significativa do PIB num pacote de despesas, numa tentativa de combater os efeitos da Covid-19 na economia. É essencial trazer um sinal positivo ambicioso e forte para ajudar a economia a antecipar a recuperação.