AHP Tourism Monitors: Madeira regista quebra acentuada na Taxa de Ocupação

AHP Tourism Monitors: Madeira regista quebra acentuada na Taxa de Ocupação

De acordo com o AHP Tourism Monitors, em novembro de 2019 a Taxa de Ocupação (TO) em Portugal subiu 0,6 p.p., fixando-se nos 60%. O destaque vai para o crescimento expressivo neste indicador nos destinos Estoril/Sintra (mais 5,85 p.p.), Costa Azul (mais 5,3 p.p.) e Minho (mais 5,08 p.p.).

Quanto ao ARR, este manteve-se inalterado quanto à variação, tendo-se fixado nos 76 euros. Neste indicador, a destacar o crescimento expressivo dos destinos Minho (mais 16%), Estoril/Sintra (mais 10%) e Aveiro (mais 8%).

Já o RevPar fixou-se nos 45 euros, mais 1% face ao período homólogo. Em termos absolutos, Lisboa foi o destino com o RevPar mais elevado (87 euros), seguido do Grande Porto (50 euros) e de Estoril/Sintra (47 euros). Por categorias, os hotéis de cinco estrelas são os que apresentam o maior crescimento homólogo em taxa de ocupação (mais 3%), todavia no ARR foram as duas, mais 9%, e as três estrelas, mais 3%, que mais subiram face a novembro de 2018.

De acordo com Cristina Siza Vieira, CEO da AHP, “assistimos este mês a um ligeiro crescimento da taxa de ocupação homóloga a nível nacional. O crescimento deste indicador foi sobretudo alavancado pelos destinos Hotel Monitor, Minho; Costa Azul e Estoril/Sintra. Uma situação que nos continua a preocupar é a do destino turístico Madeira, que este mês volta a registar uma quebra bastante acentuada na TO, menos 7,58 p.p., o que impactou no RevPar da hotelaria da região, que decresceu 10%. Em contrapartida, é interessante verificar como os eventos em novembro tiveram um impacto expressivo na hotelaria da capital (a TO subiu 2,73 p.p., atingindo os 80%, e o preço médio também subiu). Também na Área Metropolitana de Lisboa, especificamente no destino Estoril/Sintra, registou-se ainda maior subida na TO e no ARR, que acarretou uma expressiva subida no RevPar. Refira-se, todavia, que a informação neste destino foi obtida exclusivamente nas categorias superiores (5 e 4 estrelas).”

Web Summit 2019 | 4 a 7 de novembro

De acordo com o inquérito “Impacto da Web Summit” realizado junto dos associados e aderentes do AHP Tourism Monitors sobre os dias da Web Summit, a taxa de ocupação de Lisboa foi de 94%, mais 1 p.p. do que no mesmo período de 2018. O preço médio decresceu, face ao mesmo período do ano anterior, 9%, fixando-se nos 155 euros. Quanto a reservas, 80% foram de participantes na Web Summit, sendo a Booking o principal canal de reservas, seguido do website próprio do hotel. Quanto aos principais mercados, temos no TOP 5 o Reino Unido, Espanha, Brasil, Alemanha e Estados Unidos.

Durante os dias do evento, estima-se que os websummiters tenham gasto em média 3 milhões de euros por dia na hotelaria da cidade de Lisboa, o que representa cerca de 12 milhões de euros nos quatro dias.

Destinos Turísticos

  • Açores

A hotelaria dos Açores, em novembro de 2019, apresentou uma TO de 48%, mais 2,9 p.p. do que no período homólogo anterior. O ARR foi de 50 euros e o RevPar cresceu 1%.

  • Alentejo

Os hotéis deste destino apresentaram, no mês de novembro, uma TO de 55%, mais 4,4 p.p. face a novembro de 2018.
O ARR foi, neste mês, de 59 euros e o RevPar evidenciou um crescimento de 8% face ao mesmo mês do ano anterior.

  • Algarve

Em novembro de 2019, a TO no Algarve foi de 42%, mais 1,3 p.p. face ao mês homólogo de 2018.
Quando comparado por zonas, a TO foi superior no Algarve Sotavento (45%), seguido do Algarve Barlavento (44%) e do Algarve Centro (38%). O ARR foi de 46 euros e o RevPar decresceu 5%.

  • Estoril/Sintra

Durante o mês de novembro de 2019, a hotelaria do destino Estoril/Sintra apresenta uma variação positiva de 22% no RevPar, enquanto o ARR se fixou nos 78 euros. A TO foi de 60%, mais 10,9 p.p. do que em novembro de 2018.

  • Grande Porto

Durante o mês de novembro de 2019, os indicadores no destino Grande Porto demonstraram, face ao período homólogo, uma variação negativa de 2% no RevPar, enquanto o ARR se fixou nos 74 euros. A TO foi de 67%, menos 3,16 p.p. do que no mês de novembro de 2018.

  • Lisboa

No mês de novembro de 2019, o destino turístico Lisboa registou uma TO de 80%, revelando um aumento de 2,73 p.p. face a novembro de 2018. Em termos de RevPar, o valor de novembro de 2019 cifrou-se em 87 euros. Verificou-se ainda um crescimento de 2% no ARR.

  • Madeira

Em novembro de 2019, a hotelaria da Madeira apresentou uma TO de 66%, menos 7,58 p.p. face a novembro de 2018. O ARR evidenciou uma subida de 1% e o RevPar fixou-se nos 41 euros.

  • Aveiro 

Durante o mês de novembro de 2019, o destino turístico Aveiro apresentou uma variação positiva de 8% no ARR e o RevPar fixou-se nos 37 euros. A TO foi de 53%, menos 3,99 p.p. do que em novembro de 2018.

  • Beira Interior e Viseu

Em novembro de 2019, a TO foi de 47%, revelando uma quebra de 2,12 p.p., face a novembro de 2018. Da análise ao ARR salienta-se a quebra de 13%, face ao período homólogo, enquanto o RevPar foi de 37 euros.

  • Coimbra 

As unidades hoteleiras da região de Coimbra apresentaram, em novembro de 2019, uma TO de 54%, o que representa uma quebra de 0,77 p.p. face ao período homólogo. Destaque ainda para o ARR que decresceu 11%, enquanto o RevPar se fixou nos 27 euros.

  • Costa Azul

Neste destino, o ARR decresceu 5%, enquanto a TO foi de 54%, mais 5,3 p.p. e o RevPar fixou-se nos 28 euros.

  • Leiria/Fátima/Templários

No mês de novembro de 2019, neste destino, a TO manteve-se inalterada, face ao período homólogo, fixando-se nos 37%. O ARR foi de 46 euros e o RevPar decresceu 7% relativamente a novembro de 2018.

  • Minho

Em novembro de 2019, a TO foi de 51%, revelando uma subida de 5,08 p.p., face ao período homólogo. O ARR foi de 66 euros e o RevPar cresceu 29%.

  • Oeste

As unidades hoteleiras do destino turístico Oeste apresentaram, em novembro de 2019, uma TO de 42%, mais 3,02 p.p.. Destaque ainda para o ARR de 65 euros, enquanto o RevPar evidenciou um crescimento de 13%.