AHP Tourism Monitors: taxa de ocupação diminui mas sem impacto no RevPAR

AHP Tourism Monitors: taxa de ocupação diminui mas sem impacto no RevPAR

De acordo com o AHP Tourism Monitors, o primeiro quadrimestre de 2018 registou, a nível nacional, um crescimento expressivo no ARR – preço médio por quarto ocupado (10%) e no RevPAR – preço médio por quarto disponível (9%), com a taxa de ocupação a registar um decréscimo de 0,7 p.p..

Operação hoteleira 

Nos primeiros quatro meses de 2018, a TO – taxa de ocupação quarto em Portugal atingiu os 59% (menos 0,7 p.p.) do que em igual período do ano anterior, com a categoria três estrelas a registar a maior quebra (menos 2,1 p.p.). Por destinos turísticos, Madeira (76%), Lisboa (73%) e Porto (64%) registaram as taxas de ocupação mais elevadas. Em termos de variação, destaque para o crescimento de Viseu (mais 5,7 p.p.), Beiras (mais 4,5 p.p.) e Alentejo (mais 3,7 p.p.).

O ARR fixou-se nos 78€, mais 10% do que em igual período do ano passado. Lisboa foi o destino que registou a melhor performance (101€), seguido do Grande Porto (79€) e de Estoril/Sintra (74€).
O RevPAR fixou-se nos 46€, com um aumento de 9%, face ao mesmo período do ano anterior. De destacar, nos destinos turísticos, o crescimento de 31% nas Beiras, 23% em Viseu e 12% em Lisboa.

Nos três principais indicadores da hotelaria nacional, a categoria duas estrelas foi a que registou um crescimento mais expressivo: mais 4 p.p. na taxa de ocupação, mais 8% no ARR e mais 15% no RevPAR.
As dormidas de nacionais, de janeiro a abril de 2018, tiveram um peso de 30% enquanto as dormidas do estrangeiro chegaram aos 70%. Em termos de hóspedes, 43% foram nacionais, enquanto 57% foram estrangeiros.

Numa análise às quotas de mercado das dormidas internacionais, a liderança coube à Alemanha (13%), seguido do Reino Unido (10%), França (6%), Espanha e Dinamarca (5%). A ascensão da Dinamarca ao quinto lugar do pódio das dormidas internacionais deve-se ao destino Madeira, onde os dinamarqueses alcançaram o segundo lugar como mercado emissor, no período em referência. Em termos de performance, o maior crescimento verificou-se nos mercados brasileiro e nacional e as maiores quebras no Reino Unido e Alemanha.

Sem novidades, no primeiro quadrimestre de 2018, “Lazer, recreio e férias” foi claramente a principal motivação das dormidas com 79% de representatividade, enquanto a motivação “Negócios/Profissionais” representou 15% e “Outras motivações” 6%.

Cristina Siza Vieira, presidente executiva da Associação da Hotelaria de Portugal, afirma que: “Os resultados do primeiro quadrimestre de 2018 não são uma surpresa, até porque já vínhamos a registar um abrandamento mensal na taxa de ocupação desde o início do ano. (…) De referir, no entanto, que o decréscimo na taxa de ocupação não teve efeitos no RevPAR, que acabou por crescer fruto do ARR”.

Destinos Turísticos

Minho

Em abril de 2018, a taxa de ocupação quarto foi de 51%, revelando uma quebra de 4,9 p.p. face ao período homólogo. O preço médio por quarto ocupado foi de 60 euros, enquanto o RevPAR teve uma quebra de 5%. No que respeita ao período de janeiro a abril de 2018 destaque neste destino para a taxa de ocupação quarto de 42% e para o RevPar que registou um crescimento de 9%. O preço médio por quarto ocupado fixou-se nos 57 euros.

Grande Porto

Durante o mês de abril de 2018, os indicadores no destino Grande Porto apresentaram, face ao período homólogo, variação positiva no RevPar, atingindo os 74 euros. O preço médio por quarto ocupado registou um crescimento de 9%. A taxa de ocupação quarto foi de 82%, menos 1,2 p.p. do que em abril de 2017.

Numa análise aos quatro primeiros meses de 2018, destaque para o preço médio por quarto ocupado que cresceu 12% e o RevPar que se fixou nos 51 euros. A taxa de ocupação quarto foi de 64%.
Destaque para a categoria cinco estrelas a registar um crescimento de 23% no ARR e de 17% no RevPAR, face a igual período do ano anterior.

Beiras

No mês de abril de 2018, o destino turístico Beiras apresentou uma variação positiva de 18% no RevPar, enquanto o preço médio por quarto ocupado foi de 69 euros. A taxa de ocupação quarto foi de 59%, mais 1,3 p.p. do que em abril de 2017.

De janeiro a abril de 2018, e face ao período homólogo anterior, destaque na Hotelaria das Beiras para a subida no RevPar de 31%. A taxa de ocupação quarto foi superior em 4,5 p.p., em comparação com o acumulado de abril de 2017. O Preço médio por quarto ocupado fixou-se nos 68 euros.

Coimbra

Em abril de 2018, as unidades hoteleiras de Coimbra apresentaram uma taxa de ocupação quarto de 63%, o que representou uma quebra de 6,6 p.p. face ao período homólogo. Destaque ainda para o preço médio por quarto ocupado de 62 euros, sendo que o RevPar decresceu 7%.

Quanto ao acumulado de janeiro a abril de 2018 registou-se um aumento no RevPar de 11%, em comparação com idêntico período de 2017. Simultaneamente, a taxa de ocupação quarto cresceu 2 p.p., face ao período homólogo, fixando-se em 52% no acumulado do primeiro quadrimestre de 2018. O preço médio por quarto ocupado fixou-se nos 58 euros.

Viseu

Em abril de 2018, a taxa de ocupação quarto foi de 45%, revelando uma subida de 4,7 p.p. face a abril de 2017. Da análise ao preço médio por quarto ocupado salienta-se a subida de 4%, face ao período homólogo, fixando-se nos 56 euros, enquanto o RevPar evidenciou um crescimento de 16%, face a igual período do ano anterior.

No acumulado de janeiro a abril de 2018 este destino obteve uma taxa de ocupação quarto de 41%, crescendo 5,7 p.p. face a idêntico período de 2017, um preço médio por quarto ocupado de 54 euros e RevPar a registar um crescimento de 23% face ao período homólogo.

Oeste

A taxa de ocupação quarto, em abril de 2018, foi de 51%, evidenciando uma quebra de 10 p.p. face a abril de 2017. No mesmo período, o preço médio por quarto ocupado fixou-se nos 64 euros, enquanto o RevPar decresceu 20%.

Relativamente ao primeiro quadrimestre de 2018, e em comparação com o período homólogo, salienta-se a taxa de ocupação quarto de 37%, menos 0,2 p.p., e o RevPar de 23 euros. O preço médio por quarto ocupado decresceu 1%.

Leiria/Fátima/Templários

No mês de abril de 2018 destaque neste destino para a quebra da taxa de ocupação quarto em 13,4 p.p., face ao período homólogo, atingindo os 44%. O preço médio por quarto ocupado foi de 54 euros, e o RevPar desceu 17%.

Relativamente ao acumulado de janeiro a abril de 2018, a taxa de ocupação quarto fixou-se nos 34% e o RevPar nos 17 euros. O preço médio por quarto ocupado subiu 7%.
Sublinhe-se que o grande impulso que se verificou neste destino no ano de 2017 teve clara explicação no facto de ser o ano do centenário das aparições e, simultaneamente, da visita do Papa.

Estoril/Sintra

Durante o mês de abril de 2018, a Hotelaria do destino Estoril/Sintra apresentou uma variação negativa de 7,5 p.p. na taxa de ocupação quarto, fixada em 68%, e positiva no RevPar, atingindo os 58 euros.
Sublinhe-se a performance negativa das unidades de cinco estrelas na taxa de ocupação e RevPAR.
No acumulado de 2018, apresentou um RevPar de 39 euros e o preço médio por quarto ocupado cresceu 11%. A taxa de ocupação quarto foi de 53%, menos 0,2 p.p. face ao período homólogo.

Lisboa

No mês de abril de 2018, o destino turístico Lisboa registou uma taxa de ocupação quarto de 86%, revelando uma descida de 0,8 p.p. face a abril de 2017. Em termos de RevPar, o valor de abril de 2018 cifrou-se em 103 euros. Verifica-se também um aumento de 10% no preço médio por quarto ocupado.
Neste destino, destaque para a excelente performance das quatro e três estrelas em termos de preço médio e RevPAR.

Relativamente ao acumulado de 2018, registo para a variação positiva, face a 2017, de 12% no RevPar, o preço médio por quarto ocupado fixou-se nos 101 euros. A taxa de ocupação quarto foi de 73%, mais 0,2 p.p. do que no período homólogo anterior.

Costa Azul 

As unidades hoteleiras deste destino apresentaram, no mês de abril, um preço médio por quarto ocupado de 62 euros. A taxa de ocupação quarto foi de 65%, mais 0,3 p.p., e o RevPar registou um crescimento de 9%.

No período de janeiro a abril de 2018 verificou-se, comparativamente ao mesmo período do ano anterior, uma subida do RevPar de 7,9%, o preço médio por quarto ocupado fixou-se nos 55 euros e taxa de ocupação quarto foi de 49%, mais 1,6 p.p.

Alentejo

Os hotéis deste destino apresentaram, no mês de abril de 2018, uma taxa de ocupação quarto de 64% e o RevPar decresceu 6%. O preço médio por quarto ocupado foi, neste mês, de 64 euros.

Relativamente ao primeiro quadrimestre de 2018, registo para o crescimento do RevPar de 11% e o Preço médio por quarto ocupado a fixar-se nos 59 euros. A taxa de ocupação quarto foi de 51%, mais 3,7 p.p., face a idêntico período de 2017.

Algarve

Em abril de 2018, a taxa de ocupação quarto foi de 60%, menos 4,8 p.p. face ao mês homólogo de 2017. A taxa de ocupação quarto, quando comparada por zonas, foi superior no Algarve Centro (62%), face ao Algarve Sotavento (61%) e ao Algarve Barlavento (57%). O preço médio por quarto ocupado foi, em abril de 2018, de 76 euros, o RevPar registou uma quebra de 6%.

Na taxa de ocupação, a assinalar variações negativas em todas as categorias. A categoria quatro estrelas foi a que registou um maior crescimento no preço médio por quarto ocupado e RevPar no quarto mês do ano.

No período acumulado de janeiro a abril de 2018 destaque na atividade hoteleira deste destino para a taxa de ocupação quarto que se fixou nos 49%, menos 0,6 p.p. do que no período homólogo. A taxa de ocupação quarto, quando comparada por zonas, foi superior no Algarve Sotavento (60%), face ao Algarve Centro (47%) e ao Algarve Barlavento (48%).

O preço médio por quarto ocupado foi de 61 euros, enquanto o RevPar registou um crescimento de 1%.

Madeira

Em abril de 2018, a Hotelaria da Madeira apresentou uma taxa de ocupação quarto de 81%, menos 5,2 p.p. face a abril de 2017. O preço médio por quarto ocupado cresceu 15% e o RevPar fixou-se nos 67 euros.

Tal como aconteceu no Algarve, também a Madeira apresentou variações negativas em todas as categorias na taxa de ocupação. No RevPAR e ARR, sublinhe-se a subida na categoria quatro estrelas.
Relativamente ao comportamento de janeiro a abril de 2018, comparando com o mesmo período do ano transato, destaque para o aumento de 7% do RevPAR, O preço médio por quarto ocupado foi de 71 euros e a taxa de ocupação quarto registou uma quebra de 2,4 p.p., fixando-se nos 76%.

Recorde-se que, neste período, ocorreram cancelamentos de mais de 50 voos durante o mês de março, por força do mau tempo que se fez sentir na ilha da Madeira.

Açores

A Hotelaria dos Açores, no quarto mês do ano, apresentou uma taxa de ocupação quarto de 68%, menos 5,3 p.p. do que no período homólogo anterior. O preço médio por quarto ocupado foi de 60 euros e o RevPar decresceu 10%.

No período de janeiro a abril de 2018, a Hotelaria dos Açores registou uma descida de 7% no RevPar, face ao período homólogo. O preço médio por quarto ocupados foi de 54 euros. A taxa de ocupação foi de 48%, menos 3,9 p.p. do que no primeiro quadrimestre de 2017.