AHRESP e Turismo Porto e Norte assinam protocolo de colaboração para o Programa de Revitalização de Empresas

AHRESP e Turismo Porto e Norte assinam protocolo de colaboração para o Programa de Revitalização de Empresas

Categoria Advisor, Associativismo

A AHRESP – Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal e o Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) assinaram, ontem, um protocolo de colaboração com o objetivo de divulgar e promover o PRE – Programa de Revitalização de Empresas entre os empresários da região. 

O programa, já disponível, resulta de uma parceria entre a AHRESP e a Moneris, e tem como objetivo disponibilizar um conjunto de ferramentas que mitiguem os efeitos nefastos da crise económica nas empresas, evitando o recurso judicial de insolvência.

Carlos Moura, primeiro vice-presidente da AHRESP, defende que “têm de ser encontradas soluções que compensem aquilo que hoje começa a ser uma perspetiva muito negra do tecido empresarial que representamos”. Adianta que: “Nesta altura, os maiores problemas que as empresas enfrentam são a queda abruta do consumo e a necessidade de mais apoios à tesouraria. Os números dos nossos inquéritos apontam para que 41% das empresas da área da restauração correm o risco de insolver.” A AHRESP avançou também com um Plano de Emergência para o setor, com foco “nos apoios a fundo perdido, financiamentos não reembolsáveis; moratórias fiscais e bancárias e dinamização do consumo”, recorda.

Na primeira vaga, percebermos que era muito importante apoiar as empresas”

Já Luís Pedro Martins, presidente do TPNP, afirma que “a razão principal deste nosso trabalho é salvar as empresas e pessoas”, e no que lhe compete, na região que tutela e que “vive um momento extremamente difícil”. O Porto e Norte entravam em 2020 “com as melhores expetativas” – com o turismo a crescer 15% em janeiro e 22% em fevereiro, além de 10% acima da médica nacional – e “tudo indicava que iriamos ter um grande ano e que o setor iria continuar a bater recordes”.

Contudo, “na primeira vaga percebemos que era muito importante apoiar as empresas, sabendo que o setor é composto, maioritariamente, por PME’s” sem estrutura nem skills em termos de consultoria, comenta o responsável. Pela sua experiência, “a simples submissão de uma candidatura digital cria logo um sem número de dificuldades” pelo que “é muito importante estar próximo do empresário”. Daí que o TPNP decidiu criar um micro site de informação sobre o Covid-19 para os empresários, o “Norte mais Forte“.

Assim, segundo Luís Pedro Martins, “este protocolo vem na melhor altura possível, num momento em que estamos a enfrentar uma segunda vaga e não sabemos bem quando vamos sair. Estamos a entrar numa guerra e é preciso sobreviver até que cheguem os reforços”. Termina refletindo que “seria caricato um dia termos os turistas na região e não termos as empresas e postos de trabalho para os receber”.

Rita Inácio