Airbnb gera impacto económico de 1,07 mil milhões em Portugal durante 2016

Airbnb gera impacto económico de 1,07 mil milhões em Portugal durante 2016

A Airbnb gerou um impacto de 1,07 mil milhões de euros em Portugal, em 2016, tendo os anfitriões portugueses recebido 166 milhões de euros, segundo dados avançados hoje pela comunidade. Assim, os anfitriões portugueses receberam 166 milhões, no ano passado, ao partilharem as suas casas com 1,6 milhões de hóspedes – um crescimento de 75%, face aos 912 mil hóspedes registados em 2015.

Em Lisboa, os anfitriões obtiveram 72 milhões de euros, no ano passado, enquanto os 718 mil hóspedes que chegaram à cidade gastaram 404 milhões, colocando o impacto económico de anfitriões e hóspedes num total de 476 milhões, um crescimento de 78% face ao ano anterior.

Na capital portuguesa, 77 mil residentes utilizaram a plataforma para se alojarem nas suas viagens, uma subida de 79%, face ao ano transato. Desse valor, 32% dos hóspedes afirmam que não teriam vindo a Lisboa ou não teriam ficado tanto tempo sem a Airbnb.

Da parceria entre a Airbnb e a Câmara Municipal de Lisboa, relativa à coleta da taxa turística de um euro, por pernoita, na capital portuguesa, desde maio de 2016 até ao final do ano, a plataforma entregou 1,74 milhões de euros à autarquia. No primeiro trimestre de 2017, a Airbnb coletou e remeteu ao município de Lisboa mais de 1,1 milhões de taxa turística.

Por outro lado, o número de portugueses a utilizar a plataforma, quando viajam, passou de 133.300, em 2015, para um total de 264 mil, em 2016. Sendo que, Lisboa é a cidade portuguesa com mais utilizadores portugueses a reservar alojamento através da Airbnb, com 77 mil pessoas.

Citado em comunidade, o diretor geral da Airbnb para Portugal e Espanha, comentou “esta robusta atividade económica” como sendo “uma boa notícia para Lisboa e para Portugal, em geral”. “Demonstra como a Airbnb apoia a classe média e como a atividade económica resultante dos gastos dos hóspedes ajuda a melhorar a economia e as comunidades locais”, acrescenta Arnaldo Muñoz.

A atividade económica inclui todo o dinheiro que os hóspedes Airbnb gastam durante a sua estadia, bem como o dinheiro que os anfitriões, com anúncios na plataforma, ganham nessa atividade.