Amadeus com crescimento de 21,3% nos primeiros nove meses do ano

Amadeus com crescimento de 21,3% nos primeiros nove meses do ano

Categoria Business, Ot's Av's

A Amadeus apresentou hoje os resultados financeiros e operacionais do terceiro trimestre de 2016 – nove meses que terminaram em setembro -, em comparação com o mesmo período do ano passado. Neste período o lucro ajustado cresceu 21,3%, chegando a alcançar 738.1 milhões de euros.

O crescimento foi impulsionado pelo aumento das receitas em 14,2%, chegando a 3,386.5 milhões de euros e pelo EBITDA, que também cresceu 16,4%, com 1,332.1 milhões de euros. Já o ‘free cash flow’ aumentou 18,2%, com o rácio da dívida a 1.2x EBITDA.

As companhias aéreas que têm acordos de distribuição com a Amadeus representam mais de 74% das reservas aéreas realizadas através do sistema Amadeus em todo o mundo. Desde o início do ano, foram renovados e consolidados acordos de distribuição com 38 companhias aéreas.

O crescimento também continuou no segmento das companhias low cost. Os assinantes do sistema Amadeus agora têm acesso a um inventário de mais de 90 companhias aéreas low cost e híbridas em todo o mundo. As reservas deste segmento cresceram 15,8% no terceiro trimestre de 2016, em relação a 2015.

No final do terceiro trimestre, 64% das reservas aéreas globais processadas através do sistema Amadeus eram elegíveis para ter um item de merchandising. Além disso, 116 companhias aéreas aderiram ao Amadeus Airline Ancillary Services para o canal indireto, com 90 delas já implementadas. E ao incluir os clientes que aderiram os Serviços Auxiliares da Amadeus para o canal direto ou indireto, o número cresce para os 163, dos quais 123 já foram implementados.

Nos primeiros nove meses registaram ainda um aumento de 73% nos serviços auxiliares de transporte aéreo vendidos através do sistema Amadeus, principalmente através das mais de 30 agências globais de viagens on-line que integram as soluções de merchandising da Amadeus.

“O nosso forte desempenho financeiro é o resultado do crescimento nos nossos principais negócios e da contribuição das aquisições do ano passado”, referiu Luís Maroto, presidente e CEO da Amadeus, acrescentando que está confiante que “a Amadeus se vai manter forte no último trimestre deste ano.”