As linhas de orientação para o novo “PENT”

Categoria Home

O Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) em vigor termina no próximo ano. Em entrevista a Ambitur o secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes, indica as linhas de orientação que nortearão o novo PENT, pós 2015, considerando que este terá de ser mais dinâmico a toda a linha. Publicamos aqui um excerto da entrevista.O PENT é uma referência para si? Vai dar início à criação de um PENT?Tem de ser. Este termina em 2015, vou iniciar os trabalhos de elaboração do próximo. Fazendo uma crítica ao PENT actual poderão perceber as linhas pelas quais iremos trabalhar. Em primeiro lugar, o PENT actual não tem qualquer acompanhamento de financiamento. Ou seja, monta-se toda uma estratégia e não há uma linha sobre como essa estratégia se financia. Confesso que me custa perceber. Depois, parece-me ser um documento estático porque não só não compara realidades de outros mercados, não analisa o comportamento dos mercados concorrentes ao nosso, e portanto monta-se uma estratégia sem ter em conta o posicionamento e o crescimento de outros países. Por outro lado, é um documento que aina está muito na afirmação dos produtos e ainda tem muito pouco de posicionamento da marca Portugal. Ainda temos que trabalhar melhor os produtos que seleccionamos. Quando o sector não consegue sequer escolher três produtos prioritários, e temos que ir para 10, e se abríssemos o leque ainda mais seriam, dá conta da dificuldade que é, porque ninguém pode ter 10 produtos estratégicos ao mesmo tempo. Parece-me que temos de criar um novo modelo de plano estratégico com a parte do financiamento, mais dinâmico quer com as realidades de outros mercados concorrentes, quer com estratégia sobe posicionamento, de promoção de outros países, e também maturar mais as estratégias e apostas, porque parece-me que houve necessidade de criar um modelo tão consensual que de certa forma depois desvirtua a sua utilização. Mas ele é útil porque permite fundamentar escolhas políticas e, do ponto de vista do financiamento, elencar prioridades.A entrevista pode ser lida na íntegra da edição de Março de Ambitur.