Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos considera que novo confinamento é “agravar de tragédia”

by Inês Gromicho | 14 Janeiro 2021 09:32

O encerramento de equipamentos culturais devido ao novo confinamento é o agravar de uma tragédia, disse ontem à agência Lusa o promotor Álvaro Covões, da Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos (APEFE).

“Trabalhamos num setor que não funciona em take-away, teletrabalho ou delivery”, disse Álvaro Covões, sublinhando que o setor da cultura necessita de “uma bazuca” de apoios. “Estamos a reunir números, porque as vendas de faturação de dezembro fecharam há dois dias, mas tudo indica que a nossa quebra em 2020 foi de 80%”, frisou. “Apesar de se pensar que o setor cultural podia trabalhar, a verdade é que, desde junho, os equipamentos culturais estão limitados a lotações de 50%”, acrescentou.

“Estamos a viver uma coisa sem precedentes no nosso setor”, concluiu Álvaro Covões, sublinhando que a direção da APEFE irá reunir para discutir as propostas do Governo. Os espetáculos começaram a ser adiados ou cancelados em março, ainda antes de decretado o encerramento das salas. Segundo números da APEFE, só entre meados de março e final de abril, foram cancelados, suspensos ou adiados cerca de 27 mil espetáculos.

No dia 1 de junho, as salas foram autorizadas a reabrir, com lugares marcados e o cumprimento de regras de distanciamento físico, embora no final de maio ficasse proibida a realização de “festivais e espetáculos de natureza análoga”, até ao passado dia 31 de dezembro. O verão decorreu sem os festivais de música, com a Associação Portuguesa de Festivais de Música (Aporfest) a estimar uma perda de cerca de 1,6 mil milhões de euros, contra os dois mil milhões originados em 2019.

A APEFE, por seu lado, ainda antes de apurados os números do quarto trimestre de 2020, atestava que o mercado dos espetáculos registara uma quebra de 87%, entre janeiro e outubro, face a 2019, admitindo que a quebra poderia chegar aos 90%, no final do ano.

Os números concordavam com os de duas plataformas de venda de bilhetes para espetáculos, em Portugal, a Ticket Line e a Blue Ticket, que disseram à Lusa terem registado quebras superiores a 80%, nas suas operações, e uma perda de faturação entre 78% e 90%, nos meses marcados pela pandemia.

As associações e promotoras de espetáculos tinham prevista, para ontem, uma reunião com o Governo, adiada para nova data, com o objetivo de apresentarem propostas que venham a tornar viável a realização de festivais e eventos de música, em contexto de covid-19.

Ontem, o primeiro-ministro anunciou novo confinamento, e remeteu para hoje o anúncio de medidas de apoio ao setor. Em conferência de imprensa, em Lisboa, António Costa disse que a ministra da Cultura e o ministro da Economia apresentarão “um conjunto de medidas de apoio aos setores que são particularmente atingidos”.

Source URL: https://www.ambitur.pt/associacao-de-promotores-de-espetaculos-festivais-e-eventos-considera-que-novo-confinamento-e-agravar-de-tragedia/