Bernardo Trindade: “Só no final de 2021 e já em 2022 podemos almejar ter números como os de 2019”

Bernardo Trindade: “Só no final de 2021 e já em 2022 podemos almejar ter números como os de 2019”

Categoria Advisor, Política

Enquanto “prestador de serviço”, a retoma do turismo está hoje dependente de várias dinâmicas, nomeadamente da circulação do transporte aéreo onde as “incertezas são muitas”. No entanto, a resposta que Portugal tem dado na gestão da pandemia é positiva: “Está certamente bem colocado em termos de destinos a visitar”, afirma Bernardo Trindade, administrador do grupo PortoBay e antigo detentor da pasta do Turismo entre 2006 e 2011.

O responsável, que falava no webinar “Covid-19 e Turismo: e daqui em diante?”, promovido pela Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE), que juntou a atual e antigos secretários de Estado do Turismo, considera que este “novo normal” obriga todos os “agentes” a estarem “adequadamente preparados para o regresso”, a começar, desde logo, pelas “companhias aéreas e na circulação” ou nas “infraestruturas”, como os “aeroportos ou, mesmo, as unidades”, de forma a garantir “segurança” aos visitantes.

Ao nível empresarial (hotelaria, restauração, agências de viagem, empresas de animação turística), o gestor realça que uma “nova relação de confiança” precisa de ser construída e que será “adicionada à questão da segurança sanitária”, um indicador essencial na prestação de serviço. E Portugal tem um “bom ponto de partida para atuar” nesse sentido: “Temos todas as características que nos tornam um destino muito apetecível”. 

Quanto a projeções sobre uma “realidade turística próxima” daquela que Portugal vivenciou no último ano, Bernardo Trindade considera que “só no final de 2021 e já em 2022 é que podemos almejar ter números como tivemos em 2019” e  que foram “os melhores de sempre”. E só numa lógica de “estreita colaboração” é que será possível “consolidar a ideia” de que o “turismo é o melhor instrumento de coesão política, económica e social”, remata o gestor.

Leia também:

Alexandre Relvas: “Recuperação do setor será afetada pela evolução do desemprego”

Licínio Cunha defende “preparação de um plano de recuperação e de reorientação” do turismo em vigor já em 2021

Vítor Neto: É necessário defender “a importância do turismo na economia”

Adolfo Mesquita Nunes: “O setor privado não pode assumir compromissos que presumem que a normalidade voltou”