Conselheiro Ambitur: “Falar de futuro é termos coragem para reiniciar os projetos interrompidos”

Conselheiro Ambitur: “Falar de futuro é termos coragem para reiniciar os projetos interrompidos”

São três as questões que colocámos aos Conselheiros Ambitur, gestores turísticos que nos deixam a sua visão sobre a realidade do atual momento do setor.

Vítor Filipe, presidente da TQ Travel Quality, partilhou connosco a sua perspetiva enquanto “Conselheiro Ambitur”.

De que forma pode uma crise tornar-se uma oportunidade?
No caso específico desta crise motivada pela pandemia COVID-19, penso que oportunidades são muito escassas, referindo-me exclusivamente ao setor das “Agências de Viagens e Turismo”. Podemos considerar desde já o ano 2020 perdido. Estimo que em termos de vendas venha a existir uma quebra mínima na ordem dos 50%, caso uma possível recuperação possa vir a existir a partir de setembro. Além dessa redução que nos irá afetar automaticamente, temos que acrescentar o não ser possível alcançar objetivos de contratação existentes com companhias aéreas, hotelaria, rent-a-car e operadores turísticos. Será uma enorme machadada nos nossos proveitos.
A oportunidade, talvez única, será para as empresas que estão preparadas para sobreviver a esta catástrofe, poderem beneficiar com o desaparecimento das mais frágeis.

Será possível, neste contexto, pensar-se o amanhã?
Neste contexto, falar de futuro, de momento, é termos alento para ter força de vontade e coragem para reiniciar os projetos interrompidos, motivar quem trabalha connosco para juntos e unidos alcançarmos os objetivos que iremos propor.

O que os gestores turísticos não devem esquecer?
Os gestores turísticos não devem esquecer que estamos sujeitos a ter que enfrentar novas crises, esperemos que não tão violentas como a atual. Como tal, têm que preparar as suas empresas financeiramente e economicamente para os embates negativos que possam vir a acontecer.