CTP enaltece subida do turismo português no ranking do Fórum Económico Mundial

CTP enaltece subida do turismo português no ranking do Fórum Económico Mundial

A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) congratula-se com a subida da competitividade do turismo português alcançado no Relatório de Competitividade no Turismo de 2019, do Fórum Económico Mundial (World Economic Forum, WEF), divulgado hoje.

“Alcançámos pela primeira vez o 12.º lugar no ranking geral de competitividade turística do Fórum Económico Mundial e o primeiro lugar a nível mundial em termos de qualidade das infraestruturas turísticas. Ao ocuparmos estes dois lugares, reafirmamos o importante papel que o Turismo tem vindo a desempenhar na economia nacional. Reafirmamos ainda o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pelos vários actores da actividade turística e em primeiro lugar dos empresários”, afirma Francisco Calheiros, presidente da CTP.

A posição alcançada este ano no ranking geral é a melhor de sempre. Em 2013, o turismo português posicionava-se no 20.º lugar e tem vindo a melhorar a sua performance ano após ano, tendo em 2017 ocupado o 14.º lugar.

“É importante refletir também sobre a subida a primeiro lugar na categoria das Infraestruturas Turísticas, que englobam nomeadamente a oferta e a qualidade a nível do alojamento, restauração e conexões de transporte aéreo, ultrapassando países como a nossa vizinha Espanha, Áustria ou Estados Unidos. Estamos, claramente, na linha da frente da qualidade dos equipamentos que permitem a captação de novos turistas”, conclui Francisco Calheiros.

Portugal destaca-se ainda pela segurança (9.º lugar) e recursos culturais (15.º lugar) e pela subida em indicadores como os Transporte Aéreo (de 31.º para 21.º lugar), na prontidão do uso das TIC (de 41.º para 38.º) e na Priorização do Turismo (de 14.º para 12.º).

O relatório do Fórum Económico Mundial analisa mais de 140 economias mundiais e avalia um total de 14 componentes em que as notas dão origem ao ranking geral de competitividade turística. O estudo é realizado de dois em dois anos.