Cuba: Matanzas e o paraíso natural do Rio Canimar

Cuba: Matanzas e o paraíso natural do Rio Canimar

Depois de conhecermos Havana, Las Terrazas, Trinidad e Cienfuegos, descemos às grutas de Bellamar, em Matanzas, e navegámos nas margens do Rio Canimar.

À beira de uma extensa baía com o mesmo nome, fica a cidade de Matanzas que é por isso conhecida por Veneza de Cuba ou  Cidade das Pontes, já que aí existem 17 pontes que atravessam os rios Yumiri, San Juan e Canimar. Ligada à produção de açúcar, foi uma das primeiras cidades modernas do país e pode, ainda, ser considerada a Atenas de Cuba fruto da sua intensa atividade cultural. É terra de poetas, tertúlias e onde surgiu o danzón, baile nacional cubano.

Na Praça da Liberdade, entramos na Botica Francesa, farmácia fundada nos anos 80 pelo Dr. Ernesto Triolet e pela sua mulher Dolores. Na década de 90 tornou-se Museu Farmacêutico e, desde então, podemos ali encontrar inúmeras prateleiras que ostentam recipientes antigos, entre garrafas, jarros e porcelanas, utensílios médicos da época além de três milhões de rótulos e mais de 500 mil fórmulas originais de medicamentos, receitas essencialmente à base de plantas medicinais que o Dr. Ernesto receitava.

 

Depois de uma visita de médico, descemos às Cuevas de Bellamar, uma das mais antigas atrações turísticas de Cuba que remonta a 1860. Ali há estalagmites e estalactites, fósseis e pinturas indígenas com que os visitantes se podem deslumbrar. Na área existe ainda um pequeno museu, restaurante e um parque recreativo.

Rio Canimar

À tarde, atravessamos o Rio Canimar — a 4,5 km de Matanzas e 27 km de Varadero –, em plena Paisagem Natural Protegida, para descobrir outro “paraíso” em Cuba. Numa das margens do rio, somos recebidos por um grupo indígena que nos convida para um ritual de “purificação”, no qual nos pintam a cara e dançamos.

Somos por fim conduzidos até ao barco que nos passeia entre 12 a 19 km de água cristalina de rio e 538.30 hectares de vegetação selvagem, com muitas palmeiras e pássaros negros à mistura, até ao parque natural e recreativo La Arboleda, que conta com uma Base Náutica. Ali serve-se buffet, podem fazer-se piqueniques, descansar à sombra, andar a cavalo ou até montar um touro.

Rita Inácio, a convite da Oficina de Turismo de Cuba