Desde Lisboa de Pessoa ao romantismo de Coimbra

Categoria Explore, Reportagem

Saindo cada vez mais da dicotomia ‘bed & breakfast’, hoje desfrutar de uma experiência fortemente ligado aos ícones e marcas do destino é uma das apostas de diversos hotéis nacionais. O roteiro da Ambitur começa no Lisboa Pessoa Hotel, com um programa para conhecer a vida do poeta pela capital. Seguimos caminho e a próxima paragem é na cidade templária de Tomar, pela mão do Hotel dos Templários que oferece aos seus hóspedes a oportunidade de desvendar um pouco desta cultura templária. O ponto de chegada deste roteiro é Coimbra, onde o Hotel Quinta das Lágrimas propõe uma viagem “até ao século XIV” para se perceber a “forte ligação” do seu espaço com a cidade.

Lisboa Pessoa Hotel: Viagem pela vida do poeta
No ano em que se celebram os 130 anos desde o nascimento de Fernando Pessoa, o Lisboa Pessoa Hotel assinalou os seus primeiros dois anos de atividade com um evento inspirado no poeta e pensador. “Abrindo o Lisboa Pessoa Hotel à cidade de Lisboa”, Fabrizio Boscagalia, académico pessoano, ofereceu aos presentes, num “Roteiro Pessoano Exclusivo”, uma experiência “cultural/ literária original e autêntica”. A Ambitur foi conhecer este roteiro “mágico”, designado por: “A Lisboa de Fernando Pessoa”.

O ponto de partida é o ano de 1916, altura em que Fernando Pessoa tinha 19 anos. A experiência turístico-literária começa no Largo do Carmo, um local muito próximo do hotel que se tornou “a primeira morada de Fernando Pessoa, após iniciar a sua vida adulta”, explica o especialista. Neste ponto do roteiro, bem no coração de uma Lisboa que, tal como Pessoa, tem “muitas caras”, há três espaços que são sempre mencionados: a Igreja do Carmo, a primeira universidade de D. Dinis e o Museu da Guarda Nacional Republicana, ou seja, o antigo Quartel do Carmo. O motivo é simples: são locais a que o poeta faz referência nos seus versos.

O roteiro tem nova paragem no Café A Brasileira. A “famosa estátua” do poeta espera os presentes. É “a imagem mais icónica da cidade de Lisboa” e aquela a que os turistas não resistem tirar a “típica fotografia sentados ao lado do poeta”, comenta Fabrizio Boscagalia. A obra em bronze, da autoria de Lagoa Henriques, tem razão de ser. “O mítico estabelecimento seria talvez frequentado pelo poeta que se sentava sempre sozinho numa mesa.”

Entrando no Largo de São Carlos, fomos ter ao lugar onde “o nosso poeta nasceu. O pai de Fernando Pessoa [Joaquim de Seabra Pessoa] gostava muito de ópera e escrevia muitas resenhas, daí ter escolhido o Largo de São Carlos para morar”, bem junto ao teatro que deve o nome ao local. O poema “O sino da minha aldeia”, publicado em 1914, fala sobre a infância do poeta, fazendo referência ao “sino” da Igreja dos Mártires e à “aldeia” que é o largo onde viveu.

O roteiro de Pessoa termina com os livros da livraria “mais antiga do mundo” no “elegante e burguês” Chiado. A livraria Bertrand tem uma ligação muito forte com o poeta. Segundo Fabrizio Boscagalia, “uma grande parte da sua obra está aqui, bem como o café da livraria com um mural de Tamara Alves”. Pessoa dá também nome a uma das salas que era, noutros tempos, um armazém.

Terminar o roteiro no Chiado vai ao encontro da personalidade do “nosso poeta pensador”. Afinal, é a rua com mais livrarias numa cidade “moderna e metafísica” mas que é, ao mesmo tempo, “íntima e cosmopolita”.

 

Hotel dos Templários: a História dos Cavaleiros do Templo
Deixando para trás a Lisboa de Fernando Pessoa, seguimos caminho até à cidade templária de Tomar, que acolhe o imponente Convento de Cristo, outrora sede da Ordem dos Cavaleiros do Templo e, desses tempos, guardou muita História para contar e recantos por descobrir.

O Hotel dos Templários de Tomar desde 2011 oferece aos seus hóspedes a oportunidade de desvendar um pouco da Cultura Templária, tornando a sua estadia uma “experiência memorável”, como explica o diretor geral Vitor Pais.

O Pacote Cultura Templária promove um roteiro aos monumentos templários da cidade de Tomar. Paragem obrigatória é o Convento de Cristo, classificado Património da Humanidade pela UNESCO em 1983, depois
seguem-se a Igreja de Santa Maria dos Olivais, o Aqueduto dos Pegões, a Igreja de São João Batista, o Museu dos Fósforos, o Convento de São Francisco, a Sinagoga e Judiaria de Tomar e a rota dos Relógios de Sol. Os hóspedes são acompanhados, nesta aventura, por um guia turístico especializado na História de Tomar.

Vitor Pais reflete sobre a importância de pensar o território no momento da implantação de um empreendimento turístico: “A natureza e os seus elementos geográficos que compõem a paisagem. Os seus povos com a sua identidade memória e cultura.”

Para o diretor, Tomar “evoca os Templários e celebra o Património da Humanidade, como grandes elementos e indicadores do potencial turístico da região Centro de Portugal”. O responsável revela o “imenso sucesso”
desta oferta cultural e turística do Hotel dos Templários, que tem registado uma procura “bastante significativa” e não só dos portugueses.

A Cultura Templária atrai diversos mercados, sobretudo o brasileiro. “As pessoas têm adorado, muitas delas recomendam a amigos ou familiares”, acrescenta. Este é “um produto que se insere na história da cidade, acrescentando valor ao local e à imagem do hotel, contribuindo para promover o retorno do cliente ao destino”, termina Vitor Pais.

 

Quinta das Lágrimas: o romance de Pedro e Inês
A Quinta das Lágrimas também entrou no nosso roteiro. Este “palácio do século XVIII, rodeado de 12 hectares de jardins históricos”, está aberto a todos quantos apreciam a arte de bem viver e que queiram descobrir a lenda de amor de D. Pedro e Inês de Castro. É desta forma que Ana Vinagre, sales manager da Quinta das Lágrimas, convida todos os hóspedes, casais, a decifrar o que de mais belo existe na cidade de Coimbra. A Ambitur foi conhecer este tour romântico com um nome muito sugestivo: “À Descoberta de Coimbra para dois.”

Habitantes de Coimbra ou antigos estudantes da Universidade de Coimbra são os principais responsáveis pela condução deste roteiro. “Eles conseguem transmitir in loco, não só os seus conhecimentos profundos sobre a história de Portugal e da cidade de Coimbra, como também os monumentos reconhecidos pela UNESCO e, claro, as experiências vividas nesta cidade”, explica Ana Vinagre.

Numa simples caminhada, a responsável afirma que os casais são convidados a “viajar até ao século XIV” e perceber a “forte ligação” da Quinta das Lágrimas com a cidade de Coimbra, assim como a história de amor entre D. Inês e D. Pedro e que acabou em tragédia. “Era a partir da Fonte dos Amores que saía a água que abastecia o Mosteiro de Santa Clara a Velha, através de um canal mandado construir pela Rainha Santa Isabel que serviria mais tarde para transportar as cartas de amor enviadas por D. Pedro à sua amada”, relembra Ana Vinagre, que não esquece o final desta história que ficou imortalizada na epopeia de Luís de Camões. “Foi também aqui que D. Inês viria a ser assassinada, a mando do rei D. Afonso IV, deixando para sempre a marca do seu sangue na denominada, pelo poeta, “Fonte das Lágrimas”.”

Disponível desde 2017, este tour “obriga” todos os participantes a conhecerem os lugares “mais interessantes da cidade” como o Largo da Portagem, a Praça do Comércio, Igreja de Santa Cruz, Rua da Sofia, a Universidade de Coimbra e as Escadas Monumentais, o Jardim Botânico ou, mesmo, o Aqueduto de S. Sebastião. Mas também existe a possibilidade de “incluir outros monumentos de interesse, consoante os gostos dos nossos hóspedes”, afirma Ana Vinagre. O roteiro pode demorar até três horas, mas terá distâncias variáveis, visto que é adaptado a cada casal de participantes.

No entanto, não são só os monumentos ou locais mais conhecidos que marcam presença neste roteiro. “Os nossos guias são especializados em mostrar a beleza da cidade que passa despercebida numa simples caminhada, apontando para determinados detalhes e levando os clientes a locais escondidos que revelam os séculos de história de Coimbra”, conclui.

Cristiana Macedo e Rita Inácio/ Este artigo foi publicado na edição 315 da Ambitur.