Diferendo com sindicatos leva ao encerramento da Torre Eiffel em plena época turística

Diferendo com sindicatos leva ao encerramento da Torre Eiffel em plena época turística

A Torre Eiffel, um dos monumentos mais emblemáticos de Paris, foi encerrada ontem à tarde pela entidade que explora a estrutura na sequência de um diferendo com vários sindicatos, que denunciam filas de visitantes de gestão incomportável. O acesso ao monumento, que é visitado por mais de seis milhões de pessoas por ano, foi fechado às 16:00 locais (15:00 em Lisboa), segundo relatou a agência noticiosa francesa France Presse (AFP), que citou um cartaz colocado junto à estrutura também conhecida em França pela “Dama de ferro”.

Em plena temporada turística, os muitos visitantes que se encontravam no interior da estrutura não foram retirados e foram autorizados a concluir a visita ao monumento projetado no século XIX por Gustave Eiffel.

Segundo a direção da Sociedade de Exploração da Torre Eiffel (SETE, na sigla em francês), o encerramento do monumento foi decidido após a suspensão das negociações, ao início da tarde de ontem com os sindicatos, que têm vindo a denunciar que a estrutura tem estado sujeita “a filas por vezes monstruosas”.

A SETE não adiantou qualquer previsão para a reabertura do monumento, enquanto um dos sindicatos envolvidos no diferendo, o CGT, anunciava que as negociações iam ser retomadas ontem à noite.

Um projeto para reorganizar a venda de bilhetes para este monumento com mais de 300 metros de altura está no centro do diferendo.

Os sindicatos apresentaram um pré-aviso de greve para esta quinta-feira por causa das grandes filas de visitantes registadas atualmente naquele monumento, em parte geradas pela venda antecipada de ingressos.