Eco-luxury hotel no Alentejo “é ideal para a realidade expectável do turismo pós-pandemia”

Eco-luxury hotel no Alentejo “é ideal para a realidade expectável do turismo pós-pandemia”

Laura Moreira

São Francisco da Serra, no município de Santiago do Cacém, foi o local escolhido para a criação de um novo eco-luxury hotel. Laura Moreira, co-fundadora e manager do projeto Tellus – Rethinking Tourism, financiado pelo Programa Ambiente dos EEA Grants, explica ao Ambitur.pt que esta localização junta um ambiente de montanha e floresta à proximidade de algumas das melhores praias de Portugal, e que é “ideal para agradar aos gostos diferentes que tanta vezes dividem as famílias na escolha do local de férias”.

O projeto resulta de uma parceria entre a empresa portuguesa Tellus Origo, Serviços & Consultoria e a empresa norueguesa Reframe Arkitektur. E Laura Moreira admite que desenvolver um projeto em temos de pandemia é algo complexo e que requer “muita flexibilidade e capacidade de adaptação”, bem como “muita criatividade para resolver problemas que em tempos ditos «normais» não se colocariam”, acrescenta.

Na verdade, tudo começou em 2019 e, explica a responsável, o financiamento obtido da EEA Grants, gerido em Portugal pela Secretaria de Estado do Ambiente, “foi uma grande motivação para continuar”. Até porque, frisa Laura Moreira, “acreditamos que a pandemia já estará suficientemente ultrapassada na data de abertura e que o modelo de hotelaria que propomos é ideal para a realidade expectável do turismo pós-pandemia”.

Neste momento, decorre a fase de entrega de projetos de especialidades e tudo aponta para que o eco-luxury hotel possa abrir portas em abril de 2022. O objetivo será captar o mercado europeu e norte-americano mas a empresária garante que haverá igualmente uma aposta na procura doméstica. No fundo, o empreendimento está sobretudo vocacionado para uma faixa etária entre os 25 e os 65 anos com preocupações ambientais, que procuram um turismo de luxo e conforto, longe das grandes cidades e que privilegia a privacidade.

O projeto conta com 12 quartos, distribuídos por cinco edifícios modulares, piscina, zona de bar/ restaurante e spa. Localizado a 15 minutos das melhores praias alentejanas, irá também apostar na oferta turística local, com turismo de natureza, workshops para quem gosta de férias ativas, roteiros e experiências de artes e sabores tradicionais da região, provas de vinho, entre outros programas.

O que diferencia o projeto Tellus é, sem dúvida, a aposta no turismo sustentável que permita disseminar o conhecimento e as políticas definidas pelas Nações Unidas na Cimeira sobre a Ação Climática em 2019. Laura Moreira recorda que “a sustentabilidade no setor do turismo é uma necessidade e não é um «entrave» ao negócio”, frisando que este é “um fator diferenciador, que traz mais-valias e responde a necessidades e procura específicas”. No fundo, o projeto procura demonstrar que é possível aliar a economia circular e a proteção do ambiente ao luxo e ao conforto, explica a responsável.

Tendo sido, desde o início, pensado com base em conceitos de economia circular, todos os elementos de construção, materiais e número de unidades foram desenhados para minimizar o impacto ambiental. Foram, por exemplo, usados painéis com selo de certificação Cradle to Cradle e Passive House Standards, que têm 98% de materiais naturais e permitem a desconstrução e reutilização. A energia solar será outra aposta, bem como a coleção de águas pluviais e uma elevada percentagem de materiais que não provêm de matérias-primas. Laura Moreira admite que ainda é difícil, em Portugal, encontrar fornecedores deste tipo de materiais, pelo que “tem sido uma investigação e aprendizagem constantes”. A aposta em parcerias foi o caminho seguido, sendo que a gestora assegura que o parceiro norueguês e toda a equipa de arquitetura (Catarina Pinto & Gabriel Kosowski) “têm sido essenciais para o sucesso deste projeto”.

Inês Gromicho