Em 2020, o Centro de Portugal é uma “escolha que se impõe”

Em 2020, o Centro de Portugal é uma “escolha que se impõe”

Numa altura em que o turismo começa a dar sinais de reabertura, e após o apelo aos portugueses para fazerem férias cá dentro, a Ambitur.pt quis saber junto das Entidades Regionais do Turismo quais as ofertas turísticas de cada uma para o visitante usufruir durante a visita à cidade ou região.

Quem visitar o Centro de Portugal nos tempos mais próximos, e que já não o faça há alguns anos, vai verificar uma “significativa alteração na oferta turística”. Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal (TCP), desafia todos os portugueses a “visitar a região como se fosse a primeira vez”, garantindo que “vão descobrir encantos, recantos e pormenores que não imaginavam existir”. Segundo o dirigente, a região “modernizou-se e adaptou-se à crescente procura dos últimos anos”, sendo agora “mais tourist friendly: hoje, o Centro de Portugal dispõe de produtos turísticos vocacionados para todos os visitantes”.

Àqueles que procuram a natureza, a sugestão recai, desde logo, sobre a “extensa rede de trilhos para caminhada e percursos de cicloturismo com centenas de quilómetros” ou os “extraordinários territórios dos geoparques Naturtejo e Estrela, e das redes de Aldeias do Xisto e Aldeias de Montanha”, afirma Pedro Machado, que não descura as “road trips”, tratando-se de um “conjunto de percursos de carro que levam à descoberta da região”. Também as “praias fluviais”, área em que o Centro de Portugal “lidera, de forma destacada, o número de bandeiras azuis ou das praias oceânicas”, são motivo de visita, diz o dirigente, que não tem dúvidas quanto àquela que é a “melhor costa da Europa”, sendo um ativo para os adeptos de surf.

Já para quem as preferências recaem na cultura e história, a oferta é surpreendente, visto que as cidades e vilas da região estão cada vez mais ativas: “Há mais e melhores museus e os centros históricos estão mais preservados e preparados para receber turistas”, garante o dirigente, que não se esquece do projeto Património da Humanidade”, que “trouxe um novo dinamismo a lugares conhecidos de todos”, assim como a rede de Aldeias Históricas que “tem feito um trabalho de divulgação exemplar”.

No que concerne a “novas apostas em produtos turísticos estruturantes”, Pedro Machado dá o exemplo do Turismo Religioso: “É muito mais do que Fátima. São os Caminhos Portugueses de Santiago, são os Caminhos Marianos ou a herança judaica”. Também o “enoturismo” ou a “gastronomia” são produtos que o Centro de Portugal tem reforçado e que “oferecem cada vez mais diversidade”, capaz de “atrair” mais visitantes, acrescenta o responsável.

Ao nível da oferta de alojamento, Pedro Machado nota que “havia uma evidente carência na oferta de qualidade superior”, algo que tem sido “colmatado” com “investimentos extremamente relevantes” nos últimos anos e, que “elevaram o nível de oferta na região”, tornando-a “mais atrativa para todos os segmentos”.

“O Centro de Portugal é um hino à natureza e à vida”

Algo em que o Centro de Portugal tem apostado cada vez mais é nas “ofertas direcionadas para as famílias”, afirma o dirigente, que dá como exemplo o Dino Parque da Lourinhã ou o Parque Biológico da Serra da Lousã: “São novas âncoras na oferta turística da região e que complementam ofertas intencionalmente conhecidas” como, por exemplo, o “Portugal dos Pequeninos”. Mas a oferta não se fica por aqui e o responsável destaca também os “diversos Centros de Ciência Viva, os parques de aventuras ou os parques de lazer” por toda a região.

Mas porque é que os portugueses devem escolher o Centro de Portugal para passar férias? “Se, todos os anos, não faltam motivos para preferir o Centro de Portugal, em 2020 esta é uma escolha que se impõe”, diz Pedro Machado, que não tem dúvidas do valor da região onde é possível “passar férias tranquilas, em segurança e onde o espaço pessoal de cada um é muito mais alargado do que em destinos massificados”. Por outro lado, o Centro de Portugal é um “destino autêntico” e capaz de proporcionar “experiências enriquecedoras”, considera o dirigente, realçando que “há muitos territórios na região em que uma visita é quase uma viagem no tempo”.  A baixa densidade populacional na região é vista como uma vantagem: “O Centro de Portugal é um hino à natureza e à vida”, afirma Pedro Machado.

Algumas sugestões do Turismo do Centro : 

  • Aveiro: Núcleo Museológico da CP, Oficina do Doce ou o Museu do Brinca;
  • Coimbra: Portugal dos Pequeninos, Parque Biológico da Serra da Lousã, Museu da Ciência ou a Praia das Rocas;
  • Leiria: Ecoparque Sensorial da Pia do Urso ou o Monumento Natural das Pegadas de Dinossáurios
  • Médio Tejo: Museu Nacional Ferroviário do Entroncamento ou o Museu da Boneca
  • Oeste: Dino Parque, Parque dos Monges ou o Bacalhôa Buddha Eden
  • Viseu: Bioparque, Pista de Gelo, Geocaching Vouzela ou o Museu do Caramulo;
  • Serra da Estrela: Centro Interpretativo do Vale Glaciar, Museu do Brinquedo, Museu do Pão ou o Parque Ecológico de Gouveia;
  • Castelo Branco: Rota dos Fósseis ou o Museu da Geodesia.

Onde obter mais informações: