Em tempos de incerteza, MS Hotels & Resorts não hesita na expansão por acreditar no seu produto e no destino Portugal

Em tempos de incerteza, MS Hotels & Resorts não hesita na expansão por acreditar no seu produto e no destino Portugal

O MS Hotels & Resorts tem projetos ambiciosos em curso e ambicionava cobrir “a totalidade do país”, talvez até criar uma nova marca, mas entretanto veio a pandemia. O Grupo mantém uma estratégia de expansão por acreditar no seu produto e em Portugal, enquanto destino turístico, mas o foco está agora nos projetos em curso – hotéis de cinco estrelas em Arouca e Aveiro – e em “minimizar prejuízos”. 

Moon & Sun Porto

O Grupo MS Hotels & Resorts surgiu da “oportunidade de aquisição de alguns imóveis em localizações chave”, conta o diretor Pedro Mesquita à Ambitur.pt, e também por força do desenvolvimento do setor do turismo em Portugal. Desta forma, a estratégia do grupo passa por posicionar todos os seus hotéis “em zonas premium das respetivas cidades”, de pequena e média dimensão,  tendo por base “um conceito de charme”, isto é, “a nossa arquitetura e decoração pretendem transmitir requinte e conforto ao nosso cliente”, descreve o responsável. O serviço é também de “excelência” e prime pela “proximidade ao cliente” na marca Moon & Sun, cujo portefólio integra dois hotéis de 4 estrelas no Porto e em Braga. A eles irão juntar-se um hotel em Lisboa, na Rua do Ouro, e outro em Évora.

Já na futura MS Collection, para unidades de 5 estrelas, Pedro Mesquita avança que “teremos um serviço ainda mais exclusivo” e “muito ligado à temática especialmente desenvolvida para cada hotel”. Arouca e Aveiro são as duas cidades portuguesas com projetos em curso para integrarem esta marca:

O Grupo, através do Revive, ganhou a concessão do Mosteiro de Arouca que será transformado numa “espécie de resort no interior do país, dentro de um espaço amplo com um jardim de sonho”, que proporcionará “uma experiência completamente distinta” com valências como a “arqueologia, receitas conventuais, passeios nos Passadiços do Paiva”, etc. Pedro Mesquita realça que este “é um projeto fantástico que nos está a entusiasmar imenso e que acreditamos que virá ser uma referência na hotelaria nacional e internacional”.

Em Aveiro, o MS Hotels & Resorts abrirá o primeiro hotel cinco estrelas da cidade num “palácio construído no séc. XVIII” e “onde viveu a família de Eça de Queiroz”. O diretor sublinha que “estamos a fazer um fantástico hotel, rico em pormenores clássicos e requintados e cuja temática explora sempre o universo de Eça. Tudo isto num ambiente de luxo, que se pretende que prime pela originalidade.”

“Não hesitámos de todo porque acreditamos muito no nosso produto e no destino”

Moon & Sun Braga

Segundo Pedro Mesquita, o MS Hotels & Resorts não hesitou “de todo” em prosseguir a sua estratégia de expansão apesar dos tempos de pandemia e de incerteza. “Acreditamos muito no nosso produto e no destino Portugal, e estamos certos de que não vai perder qualidades”, justifica. De momento, o seu plano de negócios envolve a “abertura de quatro hotéis entre o primeiro semestre de 2022 e o início de 2023” e o Grupo quer “acreditar que nessa altura já poderemos estar a viver, novamente, uma situação normalizada e, se não igual, próxima do que vivemos em 2019”.

“Estamos muito focados em concretizar projetos em curso e minimizar prejuízos”

Antes da pandemia, “existia uma estratégia que passava por, num prazo de cinco anos, cobrir praticamente a totalidade do país”, refere o diretor geral, e o grupo, no início do ano, já encetara conversações para “imóveis no Funchal e Guimarães”. Estava também a ser pensada a “criação de uma marca mais informal e descontraída, dedicada a um público mais jovem, com hotéis de três estrelas”. Todavia, num momento como este, “seja que grupo for, com qualquer dimensão, não pode em consciência fazer planos a longo prazo”, defende Pedro Mesquita. Assim, o MS Hotels & Resorts está agora focado em “concretizar os projetos que temos em curso e em minimizar prejuízos, esperando que esta fase passe o mais rapidamente possível”.

Rita Inácio