Eurostat: voos comerciais de dezembro de 2021 mais próximos dos números de 2019

Eurostat: voos comerciais de dezembro de 2021 mais próximos dos números de 2019

Em dezembro de 2021, o número de voos comerciais na UE aumentou 130% face a igual mês do ano anterior. Contudo, segundo indicam os dados divulgados agora pelo Eurostat, continuam ainda abaixo dos níveis pré-pandémicos (-24% relativamente a dezembro de 2019). Em termos absolutos, o número de voos comerciais fixou-se nos 383.720 em dezembro de 2021, comparando com 166.990 de dezembro de 2020 e 504.270 de dezembro de 2019.

A indústria da aviação tem estado a recuperar gradualmente ao longo de 2021. Embora os primeiros meses do ano não indicassem sinais de recuperação: janeiro (-68% face a igual mês de 2019), fevereiro (-73%), março (-71%) e abril (-70%), a situação começou a alterar-se em maio (-67%), junho (-54%) e agosto (-31%). Setembro teve uma pequena queda (-33%) mas outubro (-30%), novembro (-26%) e dezembro (-24%) assistiu à maior aproximação de sempre relativamente aos números pré-pandémicos.

Os países da UE com as menores quebras de voos comerciais em dezembro foram a Croácia (-6% face a dezembro de 2019), Grécia (-8%) e Chipre (-9%). Do outro lado, os voos diminuíram em mais de 40% na República Checa e na Áustria (ambos -41%). Os restantes tiveram decréscimos de menos de um terço.

Globalmente, quando comparando 2019 com 2021, o país que evidenciou mais sinais de recuperação em termos de número de voos comerciais foi a Grécia (-29%), seguindo-se o Chipre (-38%) e o Luxemburgo (-39%). Por outro lado, a Irlanda mostrou poucos sinais de retoma (-64%), seguida da Eslovénia e da República Checa (ambas -62%).

Além disso, alguns aeroportos da UE registaram aumentos no número de voos comerciais em relação a 2019. As maiores subidas foram em Berlim Brandenburg (+13.521, +16%), Liege (+6 972, +21%) e Paris Le Bourget (+2 715, +8%). Do lado oposto, as maiores descidas foram nos principais hubs aéreos europeus: Munique (-261 020, -64%), Frankfurt/Main (-250 712, -49%) e Paris Charles de Gaulle (-247 959, -50%).