Expedia: como podem os hotéis preparar-se para a retoma do turismo?

Expedia: como podem os hotéis preparar-se para a retoma do turismo?

O Grupo Expedia compilou alguma informação para apoiar a preparação para a retoma do turismo. As tendências de mercado e dados recentes do grupo indicam que os viajantes estão ansiosos por fazer viagens e, a maioria dos que desejam, planeiam ou reservam viagens fazem-nos a pensar num futuro próximo.

Os dados da Expedia revelam que, à data de 1 de março de 2021, 50% das pesquisas globais fazem-se com entre 0 e 21 dias de antecedência, e cerca de 15% são para viagens que se realizarão entre 30 e 60 dias a partir da data da pesquisa.

Apesar de ainda não ser claro quando serão levantadas as restrições para as viagens internacionais, os viajantes procuram, a curto prazo, ficar mais perto de casa.

Com estes dados, o grupo Expedia divulga cinco recomendações para ajudar os alojamentos a prepararem-se para o regresso do turismo e para atraírem hóspedes.

1. Oferecer flexibilidade
Para ajudar a incutir confiança nos viajantes e tranquilizar do ponto de vista financeiro, os alojamentos turísticos devem comunicar com clareza as suas políticas de flexibilidade em todos os canais, desde os sites a campanhas publicitárias, comunicações dirigidas aos viajantes antes e durante a sua estadia. Entre elas pode oferecer reembolsos completos e cancelamentos, ou flexibilidade nas reservas ou alterações de datas.

Um estudo da Expedia Media Solutions revela que:
– 53% dos viajantes sentir-se-ão mais confortáveis se os hotéis oferecerem cancelamentos totais e reembolsos, especialmente os turistas da Geração Z e os millennials;
– Em 2020, os viajantes reservarão mais 10% com tarifas reembolsáveis face ao ano anterior;
– Quase 70% dos planos de tarifas de alojamento nos sites da Expedia são hoje reembolsáveis.

2. Tranquilizar os viajantes
Os protocolos sanitários e de higiene nos hotéis devem ocupar um lugar destacado porque, após a pandemia, os viajantes querem voltar a ficar em alojamentos que lhes transmitam confiança. Salientar a informação sobre medidas de desinfeção e limpeza em todos os espaços do hotel e nos quartos contribui para tranquilizar os viajantes que estão a planear uma viagem a curto prazo ou quando a epidemia terminar, porque é provável que a preocupação com a higiene tenha um impacto a longo prazo.

Um em cada dois viajantes evitou o uso de hotéis pertencentes a cadeias, boutique hotels e resorts durante a pandemia por estarem preocupados com os protocolos de limpeza. Por sua vez, oito em cada 10 viajantes, independentemente da idade, afirmam que as medidas destinadas a lidar com a pandemia vão influenciar as suas decisões no que diz respeito à escolha dos alojamentos. 83% de todos os viajantes e 90% da denominada “geração silenciosa” (nascida entre 1928 e 1945) consideram importante que os estabelecimentos proporcionem uma limpeza profunda e contem com protocolos de desinfeção periódicos, enquanto que 76% dos viajantes gostaria de ter acesso a uma lista de verificação que descreva o que foi desinfetado.

3. As críticas são relevantes
As críticas online permitiram aos viajantes tomar decisões informadas mas serão ainda mais importantes no planeamento das viagens no futuro. Segundo um estudo da Expedia publicado em 2020, quase três quartos dos viajantes leem as críticas antes de reservar um alojamento e consideram que as opiniões sobre a “limpeza do quarto” e o “estado geral do hotel” são as mais importantes. 80% dos viajantes acreditam que se os hotéis não responderem a opiniões negativas, as críticas têm mais probabilidade de ser verdadeiras. No futuro, os viajantes irão recorrer 41% mais às opiniões online mais recentes do que aquelas publicadas antes da pandemia; embora também vá aumentar em 15% o interesse sobre todos os comentários online.

4. Destaque perante a concorrência
Os viajantes recorrem cada vez mais aos sites dos hotéis (+14%), às agências de viagens online (+24%) e à publicidade (+16%) para planear as suas viagens depois da pandemia e, nesse sentido, as imagens e a informação nestes canais serão mais relevantes e influentes no futuro.

À medida que a procura dos viajantes cresce, os estabelecimentos devem implementar uma estratégia de marketing multicanal e devem avaliar as ferramentas de marketing que utilizam.

5. Pôr o foco no segmento de viagens correto
As motivações e preferências de viagens variam consoante a idade e, inclusivamente, a localização geográfica, razão pela qual os alojamentos devem conceber ofertas e promoções específicas que atraiam diferentes gerações.

As viagens que ocorreram durante a pandemia tiveram como origem vários motivos, embora os principais tenham sido mudar de ares para ver familiares e amigos, as viagens com ofertas de última hora são particularmente populares, sobretudo entre os viajantes mais jovens, e pdoeriam motivo de viagens no futuro.

Além disso, espera-se que as gerações mais jovens impulsionem a procura hoteleira a níveis anteriores à pandemia; por esta razão, os estabelecimentos devem ter em conta o seu peso nas estratégias de marketing a curto prazo, e desenhar outro tipo de ofertas e mensagens, com prazos mais longos, para outras gerações de turistas.

20% dos millennials que viajaram durante a pandemia fizeram-nos aproveitando ofertas e promoções especiais. 15% da Geração Z viajou durante a pandemia para trabalhar ou estudar numa outra localidade.

Para chegar às gerações mais novas, os alojamentos devem destacar as suas ofertas ou descontos especiais, ou as promoções ligadas a estadias por trabalho à distância, enquanto que os pacotes faciliares podem atrair a chamada “geração silenciosa”.

A geração X e os baby boomers interessam-se mais por alojamentos situados em locais ao ar livre, por isso as imagens que deslumbrem visualmente devem ser o centro das campanhas dirigidas a este segmento de turistas.

Foto: Inspira Santa Marta Hotel