IATA reduz ainda mais previsão de tráfego para 2020

IATA reduz ainda mais previsão de tráfego para 2020

A IATA – Associação Internacional de Transporte Aéreo reduziu a sua previsão de tráfego para 2020 refletindo uma recuperação mais fraca do que estimado, como é evidente no péssimo final da época de verão no Hemisfério Norte. A associação espera ahgora que o tráfego este ano diminua 66% face a 2019, descendo da anterior estimativa de um declínio de 63%.

A procura por parte dos passageiros em agosto continuou a ser muito afetada com os RPKs a descerem 75,3% quando comparado com agosto de 2019. Esse número melhorou apena sligeiramente em relação à contração anual de 79,5% em julho. Os mercados domésticos continuaram a ter um melhor desempenho do que os mercados internacionais no que diz respeito a uma recuperação, embora a maioria tenha permanecido substancialmente abaixo face ao ano anterior. A capacidade de agosto caiu 63,8% em termos homólogos, e o load factor 27,2 pontos percentuais para um recorde em agosto de 58,5%.

Com base em dados de voos, a recuperação nos serviços de passageiros aéreos parou em meados de agosto com o regresso das restrições governamentais perante novos surtos de Covid-19 em vários mercados principais. As reservas antecipadas para viagens aéreas no quarto trimestre frevelam que a recuperação desde o mínimo de abril vai continuar a ser frágil. Embora se prevesse uma queda anual de RPKs estabiliando em -55% em dezembro, agora espera-se uma melhoria muito mais lenta com a previsão do mês de dezembro a descer 68% face a igual mês do ano de 2019.

“O desempenho de tráfego desastroso em agosto é a gota de água na pior época de verão da indústria de sempre. A recuperação da procura internacional é praticamente não existente e os mercados internos na Austrália e Japão regrediram na verdade perante os novos surtos e restrições de viagens. Há uns meses atrás, pensámos que uma queda na procura anual de -63% face a 2019 fosse o pior cenário. Com o deplorável período de verão a ficar para trás, revimos as nossas estimativas para baixo para -66%”, afirma Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da IATA.

A procura de passageiros internacionais em agosto desabou 88,3% em comparação com agosto de 2019, ligeiramente acima do declínio de 91,% registado em julho. A capacidade caiu 79,5% e o load factor 37 pontos percentuais para 48,7%.

O tráfego de agosto das companhias aéreas da Região da Ásia Pacífico diminuiu 95,9% em termos homólogos, a maior contração entre todas as regiões. A capacidade caiu 90,4% e o load factor 48 pontos percentuais para 34,8%.

Já a procura em agosto nas companhias europeias diminuiu 79,9%, melhorando da queda de 87% de julho, com o levantamento de restrições de viagens na Zona Schengen. Porém, dados mais recentes sugerem que esta tendência inverteu-se com um regresso a confinamentos e quarentenas em alguns mercados. A capacidade caiu 68,7% e o load factor 32,1 pontos percentuais para 57,1%, o mais elevado entre as regiões.