INE: menos 98,5% passageiros nos aeroportos nacionais em maio

INE: menos 98,5% passageiros nos aeroportos nacionais em maio

Em maio de 2020, nos aeroportos nacionais registou-se o movimento de 82,1 mil passageiros, representando um decréscimo de 98,5% (-99,4% em abril), segundo indicam os dados do INE.

No mês de maio deste ano aterraram nos aeroportos nacionais 1,6 mil aeronaves em voos comerciais, o que representa uma variação homóloga de -92,3% (-94,3% em abril e -38,6% em março). Registou-se o movimento de 82,1 mil passageiros (embarques, desembarques e trânsitos diretos), representando uma variação homóloga de -98,5% (-99,4% em abril e -53,5% em março).

Analisando o número de aeronaves aterradas e o número de passageiros desembarcados diariamente entre janeiro e maio de 2020, e comparando com o período homólogo, o INE refere que é visível o impacto da pandemia COVID-19 e das medidas adotadas ao nível do espaço aéreo a partir do início da segunda quinzena do mês de março, registando, ainda durante o mês de maio, reduções iguais ou superiores a 90% no número de aeronaves aterradas e superiores a 95% no número de passageiros desembarcados.

No acumulado dos cinco primeiros meses de 2020, aterraram nos aeroportos nacionais 43,1 mil aeronaves em voos comerciais (-50,6% face ao mesmo período homólogo) e foram movimentados 9,6 milhões de passageiros (-56,5%). O aeroporto de Lisboa movimentou 57,4% do total de passageiros (5,5 milhões) e registou um decréscimo de 53,0%. Considerando os três aeroportos com maior tráfego de passageiros, o aeroporto do Faro foi o que evidenciou um maior decréscimo do número de passageiros movimentados entre janeiro e maio de 2020 (-73,6%).

No conjunto dos cinco primeiros meses de 2020, e considerando o volume de passageiros aterrados e descolados em voos internacionais, França foi o principal país de origem e de destino dos passageiros movimentados nos aeroportos nacionais. O Reino Unido foi o segundo principal país de origem e destino e evidenciou a maior redução do número de passageiros aterrados e descolados (-64,9% e -61,1%, respetivamente).

Foto: Aeroporto de Lisboa, ANA