Lisboa tem novo produto turístico

Categoria Home

“Toda a gente sabe que vai-se a Nova Iorque e voa-se, voa-se em Barcelona, por que é que não se haveria de voar em Lisboa?”, afirmou Francisco Sá Nogueira, um dos três sócios da Lisbon Helicopters, na apresentação do projecto, esta manhã, no agora intitulado Heliporto João Maria Bravo, onde estiveram também presentes António Costa, presidente da Câmara Municipal de Lisboa e Paulo Vista, presidente da Câmara de Oeiras.Depois de cerca de quatro anos à espera do licenciamento para iniciar esta actividade e com um investimento inicial de 1 milhão de euros, de capital português e do Montepio Geral, a empresa Lisbon Helicopters,&do grupo Helibravo,&dará inicio a&passeios turísticos de helicóptero pela cidade de Lisboa. Segundo Francisco Sá Nogueira, o público-alvo serão fundamentalmente os turistas em Lisboa. “Neste momento, os números que temos disponíveis são os que ficam nos hotéis, são cerca de três milhões, podemos por mais facilmente dois ou três milhões em cima, temos seis milhões de visitantes em Lisboa. Esse é o nosso mercado alvo, o que não impede que os portugueses também tenham acesso a isso”. Para Francisco Sá Nogueira, este é “um serviço que não tem preços fora do alcance”, uma vez, que “há uma experiência, que é o Baptismo no Ar, que fica a 35 euros por pessoa”. Até ao final do ano, a empresa estima fazer cerca de 1000 viagens. “Vamos fazer fundamentalmente o percurso “Rota das Descobertas”, virado para o mercado turístico, que vai daqui (Heliporto de Lisboa), sobrevoa esta zona de Belém, Mosteiro dos Jerónimos até à Praça do Império, e depois vai até à Ponte sobre o Tejo, e regressa. Depois há a “Rota Imperial”, que vai até ao Terreiro do Paço”, afirma o responsável, acrescentando que, estes percursos os estão disponíveis desde os 55 euros. O serviço será assegurado por dois helicópteros, com capacidade para três pessoas, no entanto, em situações de maior afluência, poderá ser usado o Aeroporto de Tires. No que diz respeito a parcerias, Francisco Sá Nogueira, afirma que existe já “uma parceria com a Gray Line e temos outras parcerias em finalização com o Turismo de Lisboa, o produto vai estar à venda em todos os postos do Turismo de Lisboa, e portanto, aos poucos, vai começar esta relação”. Quanto à expansão da actividade, o responsável afirmou que, por enquanto, o foco é Lisboa. “Há outros operadores, por exemplo no Porto que estão a voar e portanto esse é o território deles, no Algarve também é possível fazer, temos um princípio que é sã concorrência com todos, por isso vamos fazer o nosso melhor nos territórios onde estamos instalados”.Por Raquel Pedrosa Loureiro