Madeira, Algarve e Açores com ocupações acima dos 82% em julho

Madeira, Algarve e Açores com ocupações acima dos 82% em julho

A taxa de ocupação por quarto na hotelaria portuguesa, em julho, subiu 2,75 p.p. em comparação com o período homólogo do ano anterior, atingindo os 79,33%. De acordo com o AHP Tourism Monitor, hoje divulgado, registou-se um aumento em todas as categorias, com destaque para as unidades de cinco estrelas, onde a variação foi de 6,33 p.p. face a 2014.

Os destinos turísticos com a taxa de ocupação quarto mais elevada foram Madeira (89,93%), Algarve (84,84%), Açores (84,22%) e Grande Porto (82,50%). Em contraponto, Lisboa registou uma descida de 2,12 p.p. na TO do mês de julho (que se fixou em 82%), por comparação com o período homólogo.

O preço médio por quarto ocupado na Hotelaria nacional subiu 13,21% (fixou-se em 88,54 euros) e o RevPar – preço médio por quarto disponível – aumentou 17,28%,atingindo70,24 euros. Os destinos turísticos com o RevPar mais elevado foram Algarve (103,58 euros), Estoril/Sintra (85,63 euros) e Lisboa (70,99 euros).

Cristina Siza Vieira, presidente executiva da AHP, afirma que “nos dados de julho há a destacar a excelente performance comparada do Alentejo, destino que irá receber o 27º Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo. O Alentejo foi a região que registou a maior variação homóloga no preço médio por quarto ocupado, em comparação com julho de 2014, com mais 43,62%, o que levou a uma subida, também por referência ao período homólogo, de 31,83% no RevPar. Em termos absolutos o RevPar é muito baixo porque a TO, apesar de crescer sustentadamente, ainda está muito aquém das reais potencialidades da oferta deste destino (TO de 55,32%). É preciso não esquecer, todavia, que há muita oferta de turismo rural e de habitação no Alentejo cujos resultados não são trabalhados nos Monitors (dados de estabelecimentos hoteleiros). Em suma: o Alentejo está no bom caminho”.

Em julho de 2015, a receita média por turista no hotel foi de 115 euros (mais 8,49% do que em julho de 2014) e a estadia média de 2,01 dias, valor inferior em 0,99% face ao verificado no período homólogo.

A receita total por quarto disponível (TrevPar) foi de 97,23 euros, representando este um aumento de 15,60% em comparação com o mesmo mês de 2014.