Madeira: Uma aventura entre a montanha e o mar

Madeira: Uma aventura entre a montanha e o mar

Do oceano que a rodeia ao relevo montanhoso que a caracteriza, a ilha da Madeira é hoje um dos destinos a descobrir do Atlântico, situada a menos de duas horas de avião do continente.

Mesmo que não seja o tipo de viajante que prepara as suas viagens com grande antecedência, não se esqueça pelo menos de colocar na mala algum equipamento essencial como um par de ténis confortáveis, impermeável, mochila, água e farnel.

Já devidamente equipado, absorva a paisagem de vasta fauna e flora que cobre a ilha e percorra algumas das suas famosas levadas. Comecemos devagarinho até que o passo se torne mais leve durante os 5,5 quilómetros que compõem a Levada do Castelejo, onde pode vislumbrar as paisagens do Nordeste da ilha e do Porto da Cruz. No fim, repouse as pernas e prove a bebida mais tradicional do arquipélago, a poncha.

De forças recuperadas, liberte-se da dureza da montanha e dirija-se ao mar. Na Marina do Funchal embarque num catamarã da VMT Madeira, partindo à descoberta de cetáceos, numa viagem que dura cerca de duas horas. Da baleia-comum ao golfinho, passando pelo cachalote, fique a conhecer melhor a fauna marinha que por ali se encontra. E como nem sempre a vida se faz de encontros, num caso de desencontro com algumas das espécies marinhas, aproveite para ficar a conhecer o famoso Cabo Girão, o mais alto da Europa, com 580 metros de altura.

Mas como nem só de aventuras se fazem as experiências da Madeira, Câmara de Lobos – a vila de pescadores mais emblemática da ilha – assinala paragem obrigatória desta visita. Não deixe de ir ao restaurante O Lagar e de experimentar as famosas espetadas regionais de carne, acompanhadas com milho frito.

De barriga cheia é tempo para um ligeiro repouso. No Funchal, apanhe o teleférico e desfrute da paisagem sobre a cidade, subindo em direção à freguesia do Monte. Como tudo o que sobe também desce, ganhe coragem e venha de boleia para baixo nos carros de cesto empurrados por homens com os seus trajes tradicionais. A aventura dura cerca de 10 minutos, num trajeto íngreme que dois quilómetros em longas retas e curvas apertadas, controladas pelos ‘carreiros’ a uma velocidade que chega para assustar uns e satisfazer o desejo aventureiro de outros.

Por fim, visite ainda o Forte de São Tiago, datado do século XVII e aproveite que está no Funchal para comprar lembranças de última hora e encher a mala com os famosos rebuçados de funcho ou eucalipto.

Ricardo Ramos Gonçalves, na Madeira a convite da Soltrópico. Esta reportagem foi publicada na edição 306 da Ambitur.