Maioria dos pagamentos no Canal HORECA são feitos em dinheiro

Maioria dos pagamentos no Canal HORECA são feitos em dinheiro

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) e a Nielsen Portugal realizaram um inquérito junto do Canal HORECA (restauração e bebidas e alojamento turístico), com o objetivo de conhecer os padrões atuais do consumo dos clientes, nacionais e estrangeiros.

Este inquérito incidiu sobre mais de 2 mil estabelecimentos de Norte a Sul de Portugal continental (distribuído pelo tipo de estabelecimentos de Fast Food, Hotéis, Restaurantes e Snack-Bar) e irá permitir à AHRESP e aos empresários a análise dos comportamentos da procura e, consequentemente, apoiar a definição ou o reajustamento da sua estratégia comercial.

Principais conclusões

Número médio de refeições servidas, nos dias úteis e fim-de-semana, almoço e jantar:

– Em dias úteis, os consumidores nacionais almoçam mais fora de casa, ultrapassando 60% das refeições servidas. Nos hotéis, a maioria das refeições servidas são jantares.

– Durante o fim-de-semana, o consumo turístico passa a ser ao jantar para quase todos os estabelecimentos;

– O Centro/Norte regista o valor médio de refeições servidas mais elevado ao almoço nos dias úteis (54) e no fim-de-semana (59). Na área Centro/Lisboa e nas áreas Norte e Sul, são servidas em média, 45 refeições por dia nos dias úteis, ao almoço;

– O Sul apresenta os valores mais elevados para o menu turístico, uma média de 72 refeições ao almoço e média de 84 ao jantar.

Tipo de oferta:

– As ementas de pratos de carne e peixe estão presentes em quase todos os locais, sendo de salientar que cerca de 5% já disponibiliza na ementa pratos vegetarianos/vegan;

– Em todas as áreas analisadas, as preferências dos inquiridos recaem sobre o prato de carne e peixe, com 97,1% e 89,1%, respetivamente. De destacar a área Sul, onde a preferência pelo prato vegetariano já apresenta um peso de 11%;

Preços praticados:

– Relativamente aos preços praticados, e por tipo de refeição, verifica-se uma predominância entre os 5€ e os 10€, sendo que nos pratos vegetarianos 30% acima dos 10€;

– No que concerne ao preço do jantar, 47% situa-se entre os 5 e os 10€ e 45% acima dos 10€. A almoço, mais de metade dos preços ficam entre os 5€ e os 10€;

– Ao fim-de-semana tudo se altera e os preços aumentam substancialmente, elevando-se para a fasquia acima dos 10€.

Meios de pagamento utilizados:

– O modo de pagamento mais utilizado para pagamento de refeições é o dinheiro e não os cartões Débito/Crédito, uma vez que o preço médio de um Snack-Bar tende a ser menor;

– Caso a análise seja feita por tipo de estabelecimento, já a disparidade de utilização de dinheiro esbate-se;

– Na região Norte, os pagamentos em dinheiro registam 89%, mas na área Centro/Lisboa o pagamento em dinheiro é semelhante ao pagamento em cartão de débito, com 55% e 42%, respetivamente.

Origem dos clientes:

– A maioria dos consumidores são de origem europeia, havendo uma ligeira subida na percentagem de asiáticos nos dias úteis;

– Relativamente ao número de refeições turísticas servidas observa-se que os inquiridos provenientes do Continente Americano (América do Norte), representam 52% na área Norte e 30% na área Sul, sendo que a América do Sul representa 63% na área Norte e 20% na área Sul;

– Os inquiridos do Continente Asiático representam maior número de refeições na Área Norte (45%), seguido da Área Centro/Lisboa (29%) e por último a Área Centro/Norte e a Área Sul, com 15% e 12% respetivamente;

– Os inquiridos do Continente Africano, representam um maior número de refeições efetuadas na Área Norte (66%) e logo de seguida a Área Centro/Norte com 24%;

– Os inquiridos sul-americanos aproveitam mais os fins-de-semana.