Marraquexe Dia 1 – do Palácio Bahia à Mesquita Cutubia

Marraquexe Dia 1 – do Palácio Bahia à Mesquita Cutubia

A Ambitur viajou até Marraquexe (Marrocos) entre 11 e 16 de maio, a convite da Solférias, em parceria com a TAP e a Be Live Hotels. O objetivo foi dar a conhecer esta Pérola do Sul, um dos cognomes pelos quais é conhecida, mas também degustar uma refeição assinada pelo chef Henrique Sá Pessoa no Hotel Be Live Collection Marrakech Adults Only 5*. Tudo a propósito do evento “BE Touched in Marrakech by Henrique Sá Pessoa”, convidado pela TAP, Turismo de Marrocos e Be Live Hotels a visitar Marraquexe e aqui inspirar-se para uma criação gastronómica de influência marroquina.

Praça marroquina antes de entrarmos para o Palácio Bahia

Marraquexe é hoje a quarta maior cidade do país – a seguir a Casablanca, Fez e Tânger – e fica a apenas pouco mais de uma hora de avião de Lisboa. O que a torna muito apetecível para um fim-de-semana prolongado (ou não) que lhe permitirá ficar a par da história da Cidade Vermelha – assim designada devido à cor vermelha dos seus edifícios – experimentar a sua gastronomia de sabores e cores intensas e, claro, aproveitar umas horas para se dedicar ao “regateio” de um sem número de artigos que não vai querer deixar de trazer consigo no regresso a casa.

Aquela que foi, em tempos, uma das cidades imperiais de Marrocos, é hoje um lugar movimentado onde o turismo se faz sentir. Tal como outras cidades marroquinas, Marraquexe apresenta uma parte antiga – a medina – cercada por muralhas e com ruas cheias de comerciantes, e uma zona mais moderna. A população que hoje vive em Marraquexe trabalha, na sua grande maioria (60%), no turismo, não apenas em hotéis mas também nos restaurantes e outras atividades como o artesanato, cuja produção se destina essencialmente aos muitos turistas que diariamente se passeiam pelas ruas da cidade.

Ambitur foi conhecer o Palácio Bahia, construído no final do século 19 em estilo marroquino e um dos mais impressionantes de Marraquexe. Situado junto ao lado norte do bairro judeu, o palácio contou com 10 mil pessoas a trabalhar na sua construção, e apresenta-se hoje com oito mil metros quadrados de jardins e 150 divisões que se abrem para pátios interiores.

Perca-se por este labirinto de corredores e divisões e viaje ao tempo em que ali funcionou o harém de Ahmed ben Musa, também conhecido como Bu Ahmed, que ali viveu com as suas quatro esposas e 24 concubinas.

A entrada faz-se pelo lado ocidental através de um pátio com arcadas que conduz a um pequeno riade, com a sua fonte de água no centro. O riade é decorado com estuque e madeira de cedro esculpidos, dando acesso a três salões. A saída do palácio faz-se pelo apartamento privado da esposa de Ahmed, construído em 1898, onde uma vez mais se destaca o teto pintado e o estuque esculpido, além das janelas de vitral.

 

Do Palácio Bahia passamos para a Mesquita Cutubia (ou Kutubiya), a maior da cidade, situada na parte sudoesta da almedina, não muito longe da praça Jamaa el Fna. Pelo caminho vamos passando por alguns dos 70 bairros que compõem a medina, percorrendo o Bairro dos Judeus até ao Bairro Kasbah, e em cada ele podemos encontrar um mercado que se realiza todas as manhãs, com carne, legumes, peixe e outros bens que abastecem diariamente os marroquinos.

A Mesquita Cutubia, cujo nome deriva do árabe al-Koutoubiyyin (que significa bibliotecário) é um dos monumentos mais representativos de Marraquexe, cuja construção ficou concluída durante o reinado do califa almoáda Jacube Almançor. O seu minarete de 69 metros de altura (o edifício mais alto da cidade) serviu de inspiração a outras construções islâmicas como a Giralda, de Sevilha ou a Torre Hassan de Rabat. Construída em pedra vermelha e tijolo, mede 80 por 60 metros, e o minarete foi desenhado de forma a que do topo não se consiga ver o que se passava nos haréns do sultão. A mesquita conta com seis salas, uma por cima da outra, atravessadas por uma rampa que permitia que o almuadem chegasse à varanda da torre.

 

À noite o grupo ficou hospedado no Be Live Collection Marrakech Adults Only, um cinco estrelas Tudo Incluído e recém-inaugurado, localizado no coração da zona de Palmeraie, onde o Grupo Be Live Hotels conta com outra unidade, o Be Live Experience Marrakech Plameraie.

Este resort dispõe de 212 quartos espaçoso, 28 quartos superiores “swim up” (com pequena piscina) e 20 suites. Além disso, oferece um Spa, Restaurante Buffet, um restaurante à la carte de estilo marroquino, um snack grill na piscina, aqua bar, duas piscinas (uma delas aquecida e com animação diária) e salas de reuniões. O hotel disponibiliza ainda transfere gratuito até ao centro da cidade.

 

Foi neste hotel que o chef Henrique Sá Pessoa participou do evento BE Touched in Marrakech, oferecendo aos convidados uma ementa exclusiva. O Amuse Bouche foi uma Vichyssoise de Abóbora com Pistachio e iogurte de Hortelã, seguindo-se a Cavala com Beringela, Pimento e Maionese de Harissa como entrada. O prato de peixe foi o Tagine de Polvo com Batata Doce e Coentros e o prato de carne a Bochecha de Novilho estufada com Puré de Grão e Cenourinhas Glaceadas em Mel e Ras el Hanout. Para sobremesa, a Ganache de Chocolate e Canela, Gelado de Amêndoa e Biscoito de Cominhos.

 

Ler também: Marraquexe Dia 2 e Marrocos Dia 3: Essaouira

Inês Gromicho, em Marraquexe, a convite da Solférias (com TAP, Turismo de Marrocos e Be Live Hotels)