Médio Tejo: Uma estadia segura, sustentável e rica em experiências

Médio Tejo: Uma estadia segura, sustentável e rica em experiências

No centro de Portugal, a região do Médio Tejo é um destino de excelência para apreciar a boa gastronomia, o património, as tradições, a cultura e a natureza. Quem o garante é Miguel Pombeiro, secretário executivo da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo: “oferecemos condições de qualidade que permitem não apenas uma estadia segura, sustentável e rica em experiências” mas também um “marcante acolhimento por parte das nossas dedicadas empresas ligadas ao turismo”.

A estratégia da CIM do Médio Tejo passa pela continuidade na aposta da promoção da diversidade endógena dos seus 13 concelhos, assente em três eixos estratégicos: Turismo Cultural, Turismo Religioso e Turismo Náutico.

Para captar turistas este verão, a região conta com uma programação que promete animar a Albufeira de Castelo do Bode, um dos maiores lagos artificiais do país, com várias atividades náuticas que se dividem por dois eventos: Wakeboard Open days, com a possibilidade de experimentar gratuitamente esta modalidade nos cables instalados nos municípios de Abrantes, Ferreira do Zêzere, Sertã e Vila de Rei; e Welcome to Castelo do Bode, com várias atividades como Stand Up Paddle, Ski, passeios de barco ou kayak. Esta programação prevê uma agenda de experiências náuticas gratuitas de junho a setembro de 2021.

Outra aposta para o verão passa pela programação cultural em rede, com destaque para o projeto Caminhos, que promove um conjunto de momentos culturais (música, teatro de rua, circo contemporâneo, entre muitas outras sugestões) nos municípios do Médio Tejo.

Mas esta é uma região marcada pela diversidade e nela o património natural e cultural é vasto e de extrema relevância, recorda Miguel Pombeiro. E sugere como lugares incontornáveis a visitar o Santuário de Fátima, o Convento de Cristo, a Sinagoga em Tomar e o Museu Nacional Ferroviário do Entroncamento. Destaque ainda para as grandes rotas como GR do Zêzere, o Caminho do Tejo ou a GR do Carso, complementadas pela rede de percursos pedestres, BTT e TT dos municípios, as suas magníficas praias fluviais, quedas de água, ribeiras e albufeiras, “um convite à exploração e a momentos de lazer na natureza”, sublinha.

Na lista de locais a não perder devem constar ainda o Parque Natural das Serras de Aires e Candeeiros e a Reserva Natural do Paul do Boquilobo, a primeira área portuguesa a integrar a Rede Mundial de Reservas da Biosfera. São “excelentes exemplos no nosso território da harmoniosa simbiose entre a conservação da biodiversidade e o desenvolvimento sustentável”, sublinha Miguel Pombeiro.

A região faz parte também de importantes itinerários de turismo cultural e militar, integrando vários Caminhos como os de Fátima, de Santiago, a Rede de Judiarias de Portugal, N2 e a Rota dos Templários, proporcionando experiências marcantes a quem a visita.

Este artigo foi publicado na edição 334 da Ambitur.