Miguel Quintas na corrida à APAVT: “é preciso mudar e já”

Miguel Quintas na corrida à APAVT: “é preciso mudar e já”

Miguel Quintas, CEO do Consolidador.com e fundador da Parcela Já, é o novo candidato à presidência da APAVT – Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo para o mandato 2018-2020. Trata-se de uma candidatura independente, como o próprio fez questão de frisar na formalização da mesma, hoje, em Lisboa. Ou seja, apesar de admitir “haver naturalmente pessoas interessadas em participar”, os apoios formais só serão conhecidos mais à frente, e o programa completo será apresentado até final de setembro.

Para já, o que importa realçar, diz Miguel Quintas – o segundo candidato a esta corrida após o anúncio, no passado dia 17 de julho, da recandidatura de Pedro Costa Ferreira, atual presidente da APAVT – é que “é imperativo fazer uma mudança, fazer reviver a nossa associação com novas ideias, com ações mais afirmativas, com trabalho mais eficaz, com uma nova dinâmica, mais eficiente, que coloque o setor das agências de viagens num patamar de importância que ele realmente tem”. Resumindo, e pegando no lema assumido por esta nova candidatura – “A APAVT é de todos” – “é preciso devolver a associação a quem de direito: a todos os agentes de viagens”, sublinhou o empresário.

Miguel Quintas explicou que se trata de uma candidatura inclusiva, que não irá excluir “absolutamente ninguém”. E vai mais longe, apontando o dedo à atual direção da associação, ao dizer que ” nestes últimos anos temos sentido que a APAVT pertence aos grandes players deste setor e não a quem realmente faz da APAVT grande: as PME’s”. O candidato recorda que as PME’s representam mais de 90% do tecido associativo da APAVT e, no entanto, “são aquelas que mais têm sido prejudicadas”. Um exemplo é a redução dos prazos de pagamento do BSP, de mensal para semanal. “Foram quase 40 milhões de euros de capacidade financeira perdida das nossas agências de viagens em nome da leviandade e da passividade de uma APAVT que ratifica tais decisões”, critica, acrescentando que foram essas decisões que mataram “muitas pequenas e médias agências”.

Uma direção de mudança e descomprometida
A candidatura de Miguel Quintas garante apresentar ” uma direção forte, ágil, descomprometida com o passado e isenta”, aquilo de que o setor necessita para lidar com os momentos de grande dificuldade que o setor tem pela frente.

Por outro lado, nesta primeira apresentação dos princípios que norteiam a candidatura “A APAVT é de todos”, o empresário afirma que irá lutar pela valorização da profissão do agentes de viagens, fazendo chegar a mensagem ao consumidor das vantagens de comprar numa agência de viagens.

Garante ainda que a direção que irá presidir, caso seja eleito nas eleições que deverão acontecer em dezembro, irá “colaborar de forma mais estreita com o poder político para atingir a meta da redução do IVA sobre a margem e, desta forma, aumentar a rentabilidade das agências de viagens”.

Outro ponto fundamental do programa será a formação, dotando os agentes das ferramentas adequadas para responderem aos atuais desafios e criando mesmo um programa de mentoring para os futuros profissionais do setor.

Por fim, Miguel Quintas promete colocar os agentes de viagens a debaterem verdadeiramente os temas, os desafios, as tendências e as estratégias do setor. “É preciso a contribuição de todos para dar força à associação”, resume.

Inês Gromicho