Nortravel vai aumentar a oferta com novos destinos para 2020

Nortravel vai aumentar a oferta com novos destinos para 2020

A dois meses do final do ano, 2019 será o “melhor ano de vendas de sempre” e o resultado final “vai ultrapassar a nossa expectativa”, revela o diretor da Nortravel, Nuno Aleixo, à Ambitur.pt. No entanto, não esconde aquele que foi o maior desafio: “As saídas do mês de julho”, onde “houve algum desequilíbrio entre a oferta e procura”, tendo provocado inclusivamente “ofertas de última hora”. Sendo o segundo maior mês em volume de passageiros para o operador turístico, o responsável acredita que a numerosa “oferta existente no mercado” foi a principal causa da quebra. No entanto, nos restantes meses, “conseguimos compensar”, refere Nuno Aleixo, fazendo assim um balanço “muito positivo” do verão passado, tendo registado um “crescimento de vendas acima da nossa projeção inicial”.

Os “circuitos Europeus, as ilhas Portuguesas, Tunísia (Jadetravel) e os destinos do Mediterrâneo (Malta, Sicília, Grécia, Croácia)” foram os mais procurados, mas os principais destaques foram “Cabo Verde, com dois voos charter semanais de junho a setembro, e os circuitos fora da Europa (Médio Oriente, Ásia e América) com guia exclusivo Nortravel”, acrescenta o diretor.

Quanto à programação de Natal e Fim de Ano, a Nortravel vai manter a mesma oferta do ano passado, com propostas para a “Madeira, Açores, Marrocos, Brasil em voos TAP, EUA, Istambul, Dubai e quatro cidades europeias”. Relativamente às vendas para o Fim de Ano, estão a decorrer como esperado: “muito bem”, classifica. Os Açores, a Madeira e o Brasil estão “praticamente esgotados”, afirma Nuno Aleixo, prevendo que os restantes destinos fiquem “esgotados nas próximas semanas”.

Para 2020, a Nortravel vai “aumentar a oferta com novos destinos”, assim como “reforçar a oferta nos destinos que já operam”, como Cabo Verde. Quanto ao desafios, Nuno Aleixo indica o “previsível abrandamento económico na zona euro”, devido aos “problemas internos e externos de algumas das grandes economias mundiais” que irão “afetar os países europeus mais pequenos” como Portugal. Para o diretor do operador turístico, este será um dos pontos que “vamos acompanhar em permanência nos próximos meses”, remata.

Cristiana Macedo