Notícias do Brasil… por Cristina Lira

Notícias do Brasil… por Cristina Lira

Categoria Advisor, Opinião

Por Cristina Lira

O Festival Colorido da Amazónia no Brasil regressa após dois anos de pandemia 

Festival Parintins

A Embratur – Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo celebra o regresso do Festival Folclórico de Paritins e convida os portugueses a experienciarem algo inesquecível.

O Festival Folclórico de Paritins regressa ao Brasil após dois anos de pausa devido à pandemia. Localizado no município brasileiro de Paritins, no interior do Estado do Amazonas, o festival é reconhecido como Património Cultural do Brasil. Milhares de turistas deslocam-se à cidade para assistir ao festival cinquentenário. Por ocasião do Festival Folclórico de Paritins, que se celebra na última sexta-feira do mês de junho, a Embratur – Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo, convida os portugueses a conhecerem o festival.

Com carros alegóricos, multidões entusiastas e fantasias extravagantes, o Festival Folclórico de Parintins está de volta dois anos depois para colorir novamente a Amazónia. Para felicidade dos residentes e visitantes, o evento estará de volta em 2022, nos dias 24, 25 e 26 de junho.

O festival, batizado com o nome da cidade onde se realiza, a ilha de Parintins, nas margens do rio Amazonas, a 370 quilómetros de Manaus,  tem uma rivalidade histórica no seu centro. Esta rivalidade é representada pelo Boi Caprichoso, de cor azul e pelo Boi Garantido, de cor vermelha. Durante os três dias do festival, os bois competem uns com os outros, através de estacas que exaltam a cultura indígena, nativa e ribeirinha.

O Festival Folclórico de Parintins é considerado mais do que um espetáculo. É um conjunto de criatividade, amor e paixão pela arte e pela cultura popular. Tem uma forte presença da cultura indígena e da mitologia e incorpora a história, crenças e lendas, ritos, e especialmente a arte. O Festival Folclórico de Parintins encanta tanto pela beleza do espetáculo oferecido pelos bois Garantido e Caprichoso como pelas produções artísticas dos artesãos da região. Herdeiro de uma tradição milenar que remonta aos Sapupés, Mundurucus, Paravianas, Uapixanas, Tupinambás e Parintintins nativos, que eram os habitantes primitivos da região, o artesanato de Parintins é um retrato multicolorido da Amazónia.

Ao longo dos anos, a festa cresceu tanto que se tornou uma super produção com a construção do Centro Cultural Parintins conhecido como o Bumbódromo, um espaço com capacidade para 35.000 pessoas, construído na forma de uma cabeça de boi. O “Bumbódromo de Parintins”, é a arena onde se realizam as apresentações. Durante as três noites de disputa, o espetáculo atrai mais de 100 mil pessoas, para além dos milhares de espectadores que acompanham todos os meios de comunicação social que transmitem o evento simultaneamente.

Como lá chegar: Parintins fica a 370 km de Manaus e tem o seu próprio aeroporto, o Aeroporto Regional de Parintins (PIN), com vários voos vindos da capital todos os dias durante o evento.

Sobre a Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur)

A Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur) é responsável pela implementação da Política Nacional de Turismo nas áreas de promoção, marketing e apoio à comercialização de destinos, serviços e produtos turísticos brasileiros no mercado internacional. A Embratur contribui para gerar desenvolvimento social e económico para o país, aumentando o fluxo de turistas internacionais para destinos nacionais.

 

Segunda conversa “Be Our Guest” tem lugar no dia 27 com João Pedro Figueira, diretor de Operações da Ace Hospitality Management

Iniciativa da ADHP regressa para debater as “Boas Práticas no controlo de custos de uma unidade hoteleira”. As inscrições encontram-se abertas.

No dia 27 de junho terá lugar a segunda conversa da iniciativa “Be Our Guest”, o novo projeto da ADHP – Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal que promove conversas informais com diretores de hotéis de referência sobre as suas experiências profissionais, a hotelaria e o setor do turismo. As conversas “Be Our Guest” decorrem sempre nas últimas segundas-feiras de cada mês, às 19h.

A segunda conversa está agendada para as 19h do dia 27, via Zoom, e recebe João Pedro Figueira, diretor de Operações da Ace Hospitality Management. A moderação ficará a cargo de Fernando Garrido, presidente da ADHP. Em discussão estará o tema “Boas Práticas no controlo de custos de uma unidade hoteleira”.

A inscrição para a segunda conversa “Be Our Guest” deve ser efetuada através de um breve formulário. As inscrições são limitadas.

“Depois do sucesso da primeira conversa, queremos dar continuidade a este valioso momento de partilha. Iniciativas como o «Be Our Guest» permitem que os profissionais da direção hoteleira ampliem os seus conhecimentos de um modo mais informal e direto, baseado numa conversa em que os vários participantes podem colocar questões e tirar o maior proveito da experiência do convidado”, refere Patrícia Correia, dirigente da ADHP responsável pelo projeto “Be Our Guest”.

João Pedro Figueira teve o primeiro contacto com a hotelaria através de um estágio curricular no Lapa Palace durante a licenciatura em Gestão Hoteleira. Participou na abertura do Pestana Palace e do MYRIAD. No Grupo SANA, assumiu funções de Executive Assistant Manager e, mais tarde, integrou a task force para o lançamento do EVOLUTION Lisboa. Foi, também, diretor geral do EVOLUTION Lisboa e do EPIC SANA Algarve. Desde 2019, na altura com apenas 42 anos, assume a Direção de Operações na Ace Hospitality Management, até hoje, empresa dedicada à Gestão de Hotéis desde a fase de projeto ao acompanhamento da operação. contando no seu portfólio com mais de 11 Hotéis associados a marcas de prestígio internacional (Hilton, Marriott, Wyndham, IHG). Em 2018, foi distinguido com um Prémio Xénio, pela ADHP, o qual o reconheceu como Jovem Diretor do Ano.

Resort La Torre realiza curso de Libras para os colaboradores

Curso básico de libras

O Resort La Torre, em Porto Seguro, está realizando mais uma vez entre os colaboradores, o curso básico de Libras (linguagem brasileira de sinais). O principal objetivo é atender os hóspedes de forma eficiente e inclusiva, além de possibilitar mais contratações de pessoas com deficiência auditiva.

“Inclusão e acessibilidade fazem parte do DNA do La Torre. Entendemos que se apenas os deficientes auditivos souberem Libras, sua capacidade de se comunicar fica restrita, por isso estamos capacitando mais colaboradores para contribuir com o desenvolvimento da nossa equipe e melhorar a experiência dos hóspedes que se comunicam em libras.” Ressaltou Luigi Rotunno, diretor geral do Grupo La Torre.

As aulas acontecem uma vez por semana, durante três meses e são ministradas pelo colaborador Sylvio Toffetti, que é deficiente auditivo e já utiliza diariamente a linguagem dos sinais para se comunicar dentro da empresa. Ele acredita nessa capacitação como grande ferramenta de inclusão.

“Fico feliz e orgulhoso de compartilhar o conhecimento com meus colegas. Eu sei o quanto é importante ter pessoas ao redor que saibam se comunicar por meio de libras. Aqui temos colaboradores da receção, restaurante, lazer, e todas as áreas que tem contato com os hóspedes, para que eles se sintam respeitados e integrados quando chegarem.” Informou Sylvio, que trabalha no RH da La Torre.

Cristina Lira