Número de hóspedes na hotelaria nacional cresce 10% em outubro

Número de hóspedes na hotelaria nacional cresce 10% em outubro

Portugal recebeu, no passado mês de outubro, 1,6 milhões de hóspedes e 4,5 milhões de dormidas, o que representa um crescimento de 10,0% e 6,9%, respetivamente, face a outubro de 2014. De acordo com os dados do INE, revelados hoje, as dormidas de residentes (990,1 mil) aumentaram 2,3%, desacelerando face ao mês anterior (+5,0%) e evoluindo aquém do período acumulado de janeiro a outubro (+4,9%). Os mercados externos contribuíram com 3,5 milhões de dormidas (+8,3%), indo o destaque para os mercados britânico, que apresentou um expressivo acréscimo nas dormidas (+12,4%), espanhol e francês, que apresentaram incrementos significativos (+17,8% e +10,7%). Pelo contrário, Brasil, Bélgica e Irlanda revelaram evoluções negativas (-9,8%, -9,0% e -2,8%, respetivamente), embora em termos dos resultados acumulados nos dez primeiros meses do ano apenas o Brasil tenha registado um ligeiro decréscimo (-0,8%). Considerando a evolução dos mercados desde o início do ano, destacaram-se a Itália e os Estados Unidos (+18,6% e +16,4% de dormidas, respetivamente).

No que toca às regiões, o destaque vai para os Açores e o Norte de Portugal. A primeira região registou um acréscimo de 21,9% nas dormidas e o Norte um aumento de 14,9%. Em outubro, e apesar de, face a setembro, o mercado interno tenha desacelerado, as regiões com maior número de dormidas de residentes foram Lisboa (25,3%), Norte (24,5%) e Centro (20,5%). As dormidas de não residentes aumentaram em todas as regiões, com maior impacto no Alentejo (+21,1%), Norte (+19,9%) e Centro (+18,6%). No Algarve, a evolução dos mercados externos (+7,8%) foi determinante para o resultado global da região, já que o mercado interno apresentou decréscimo. O Algarve foi o principal destino dos não residentes (39,8% das dormidas), seguido por Lisboa (26,7%) e Madeira (14,6%).

A estada média (2,75 noites) manteve uma evolução negativa (-2,8%), enquanto a taxa de ocupação (47,9%) registou um acréscimo de 2,5 p.p. Os proveitos totais aumentaram 14,4% (+14,7% em setembro) e os de aposento 14,9% (+16,9% no mês anterior). O rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) foi 37,7 euros (+14,6%).