Número de hóspedes supera um milhão pela primeira vez em janeiro

Número de hóspedes supera um milhão pela primeira vez em janeiro

Os primeiros dados relativos à atividade turística em 2018 mostram que o turismo continua a crescer de forma sustentada em Portugal, mantendo-se a tendência de maior crescimento em valor do que em número de hóspedes, refere uma nota do gabinete da secretária de Estado do Turismo.

Os proveitos totais da hotelaria subiram 12,2% em janeiro, o que reflete crescimentos expressivos nos Açores (+19,9%), Centro (+15,4%) e Lisboa (+13,7%). O ritmo de crescimento dos proveitos turísticos foi o triplo do do crescimento de hóspedes. Pela primeira vez no mês de janeiro, o número de hóspedes nos empreendimentos turísticos ultrapassou um milhão – em concreto, 1,019 milhões de pessoas. Face ao mesmo mês de 2017, as dormidas cresceram 5,1%, com destaque para os aumentos dos Açores (+12,4%) e Alentejo (+11,4%).

A Suécia registou o maior crescimento homólogo, avançando 50,9% face ao mesmo mês de 2017, ao passo que EUA (+22%) e Brasil (+15,3%) se continuam a destacar como mercados com as maiores taxas de crescimento em Portugal. De sublinhar também o desempenho do mercado francês, que cresceu 16,3%.

Para a Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo, “o turismo está a crescer de forma sustentada, ultrapassando pela primeira vez um milhão de hóspedes no mês de janeiro, mês de época baixa. Estamos também a conseguir diversificar mercados, captando de uma forma mais eficaz os que estão disponíveis para viajar nestas alturas do ano e que gastam mais no território, de que é exemplo o crescimento de 50% do mercado sueco e dos mercados americano e brasileiro em janeiro”.

Dados do INE
Segundo os dados revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), os estabelecimentos hoteleiros e similares registaram 1,0 milhões de hóspedes e 2,5 milhões de dormidas em janeiro de 2018, correspondendo a variações de +3,7% e +5,1% (+11,5% e +10,0% em dezembro, respetivamente). As dormidas do mercado interno aumentaram 7,0% (+12,2% no mês anterior) e as dos mercados externos cresceram 4,3% (+8,7% em dezembro). A estada média (2,47 noites) aumentou 1,4% (+3,9% no caso dos residentes e -0,1% nos não residentes). A taxa líquida de ocupação-cama (30,0%) aumentou 1,1 p.p.

Tal como as dormidas, os proveitos desaceleraram, tendo no total apresentado um crescimento de 12,2% (+17,5% em dezembro) e ascenderam a 138,2 milhões de euros. Os proveitos de aposento subiram 14,0% (+21,0% no mês anterior) e atingiram 96,2 milhões de euros.

Crescimento de hóspedes e dormidas mas com abrandamento
Em janeiro de 2018, o setor do alojamento turístico registou 1,0 milhões de hóspedes que proporcionaram 2,5 milhões de dormidas (+3,7% e +5,1%, respetivamente), desacelerando face a dezembro (+11,5% e +10,0%, respetivamente).

As dormidas em hotéis (72,8% do total) apresentaram um crescimento de 6,4%, com realce, tal como nos meses anteriores, para a evolução apresentada pelas unidades de três estrelas (+8,8%). É também de salientar o aumento de 11,2% nas dormidas em apartamentos turísticos (representando 5,5% do total).

Mercados interno e externo desaceleraram
Em janeiro, o mercado interno contribuiu com 764,8 mil dormidas, que representaram um crescimento de 7,0%
(+12,2% em dezembro). Os mercados externos desaceleraram para um crescimento de 4,3% (+8,7% no mês anterior) atingindo 1,8 milhões de dormidas.

Mercado sueco com crescimento expressivo
Os 13 principais mercados emissores representaram 79,9% das dormidas de não residentes. O mercado britânico (17,7% do total de dormidas de não residentes) manteve a tendência dos últimos meses e recuou 7,2%. As dormidas de hóspedes alemães (13,4% do total) verificaram uma ligeira redução de 0,5% em janeiro, após +6,5% em dezembro.

O mercado espanhol (quota de 8,6%) cresceu 4,0%, abrandando face aos crescimentos significativos verificados em
dezembro (+21,2%) e em novembro (+15,4%). O mercado francês (8,1% do total) cresceu 16,3%, após -0,6% em dezembro. As dormidas de hóspedes dos Países Baixos (6,2% do total) recuaram 10,4%, mantendo o comportamento de redução dos últimos dois meses (-6,3% em dezembro e -6,7% em novembro).

Em janeiro, a Suécia evidenciou-se com um crescimento de 50,9%. São também de destacar as evoluções dos
mercados norte-americano (+22,0%) e brasileiro (+15,3%).

Dormidas com evoluções díspares entre regiões
Em janeiro, verificaram-se aumentos de realce nas dormidas na RA Açores (+12,4%) e no Alentejo (+11,4%), enquanto no Algarve houve uma relativa estabilização. As dormidas concentraram-se principalmente na AM Lisboa (peso de 32,2%), Algarve e RA Madeira (ambas com 18,9%).

Neste mês houve um incremento de 122,1 mil dormidas (face a igual mês do ano anterior), do qual 30,5% foi proveniente da AM Lisboa (37,2 mil dormidas adicionais) e 26,5% do Norte (acréscimo de 32,4 mil dormidas). As dormidas de residentes aumentaram em todas as regiões, com realce para as evoluções do Alentejo (+13,0%), RA Madeira (+12,8%) e Algarve (+12,6%).

Em janeiro, em termos de dormidas de não residentes, destacou-se o crescimento verificado no Centro (+16,5%) e na RA Açores (+14,9%), em contraste com a diminuição de 2,4% no Algarve.

Estada média em crescimento devido aos residentes
A estada média (2,47 noites) cresceu 1,4%, com o único contributo positivo da parte dos residentes (+3,9%), dada a
diminuição, ainda que residual, da estada média dos não residentes (-0,1%).

Os crescimentos mais significativos ocorreram no Norte (+3,0%), AM Lisboa (+2,9%) e Centro (+2,8%). Este indicador foi mais elevado na RA Madeira (5,55 noites), seguindo-se o Algarve (4,26 noites).

Taxa de ocupação aumentou
A taxa líquida de ocupação-cama (30,0%) aumentou 1,1 p.p. em janeiro (+2,2 p.p. no mês anterior). As taxas de ocupação mais elevadas ocorreram na RA Madeira (54,7%) e AM Lisboa (40,2%). Destacaram-se os crescimentos registados no Alentejo (+2,4 p.p.) e RA Açores (+1,6 p.p.).

Proveitos abrandaram mas mantendo aumentos de realce
Os proveitos totais atingiram 138,2 milhões de euros e os de aposento 96,2 milhões de euros (+12,2% e +14,0%, respetivamente), desacelerando face a dezembro (+17,5% e +21,0%, respetivamente).

Entre as várias regiões, destacaram-se os aumentos nos proveitos na RA Açores (+19,9% nos proveitos totais e +18,7% nos de aposento), Centro (+15,4% e +16,0%, respetivamente) e AM Lisboa (+13,7% e +16,5%, respetivamente).

O rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) foi 25,1 euros em janeiro, o que se traduziu num aumento de 11,6% (+18,4% em dezembro). O RevPAR mais elevado foi registado na AM Lisboa (41,6 euros), seguindo-se a RA Madeira (37,9 euros). Neste indicador, são de destacar os crescimentos no Centro (+13,8%), Algarve (+13,6%) e AM Lisboa (+13,3%)

A evolução do RevPAR foi maioritariamente positiva entre as diversas tipologias e respetivas categorias, salientando-se a evolução registada nos hotéis-apartamentos (+20,2%).

A estada média também regista uma evolução positiva para 2,47 noites, tal como o RevPAR, que cresce 11,8% para 25,1 euros.