“O grande desafio na hotelaria é como vamos ser competitivos”

“O grande desafio na hotelaria é como vamos ser competitivos”

Categoria Alojamento, Business

O Grupo Natura IMB Hotels opera no Centro de Portugal e o CEO Luís Veiga, um dos convidados da cimeira “Os Nossos Campeões” dedicada ao Turismo (organizada pelo novo Banco e a SIC Notícias),  frisa que “toda a região Centro é muito dependente do turismo interno”, por exemplo, os hotéis do Grupo na Covilhã e o H2otel, em pleno Parque Natural da Serra da Estrela, contam com “cerca de 90% de turismo doméstico” pelo que “não nos parece complicada a recuperação até porque temos uma taxa de fidelização muito grande”, admite.

Pelo contrário, outras unidades têm “alguma dependência do turismo internacional” como os hotéis na Guarda com uma percentagem entre 30-35% de dormidas de estrangeiros. O Natura IMB Hotels manteve duas unidades abertas durante o confinamento – na Covilhã e Guarda – “com algum mercado corporate e alguns residentes” além de disponibilizar um piso em cada hotel para os centros hospitalares das duas cidades. Luís Veiga comenta que, sem ocupação de lazer, ambos os hotéis receberam “durante a semana alguma ocupação” mas “nunca ultrapassámos os 25%”. Desta feita, “pensamos que só em julho vamos conseguir recuperar os resultados de 2019”.

O CEO acrescenta, no entanto, que existe “a grande falácia de que o interior é que vai beneficiar” pois “a mobilidade não existe” na região Centro: “As pessoas para vierem para esta zona têm de pagar portagens que custam uma noite num hotel”, assegura, entendendo que as portagens deviam ser suspensas neste período e até ao final do ano. “Temos situações constrangedoras, como o caso deste custo de contexto, que continua a ser assinalável para quem se movimenta para a Serra da Estrela” e, atendendo à importância do mercado espanhol, nesta altura os espanhóis vão “utilizar a rodovia para se deslocar para Portugal” e “há muitos que hesitam em vir precisamente por esse facto”.

“O grande desafio é como vamos ser competitivos”

Luís Veiga afirma que há uma “aposta clara no investimento e na valorização do capital humano” que continua a ser o “grande ativo na hotelaria” e até em termos de remuneração, pois “o valor médio que se paga é já superior a outros setores de atividade”. Nesta fase de pandemia, o Grupo aproveitou para “investir em novos produtos e serviços nos hotéis” e também para “formar pessoal em várias áreas” de forma a ser mais competitivo. O CEO do Natura IMB Hotels defende que “o grande desafio na hotelaria é como é que vamos ser competitivos” e não esquece que “a competitividade exige inovação”.