“O país está na moda, mas as modas passam”

“O país está na moda, mas as modas passam”

Categoria Advisor, Associativismo

Debater o reconhecimento que o país tem tido em várias esferas e o impacto que a comunicação tem no posicionamento de Portugal enquanto destino turístico levou a que a AHP – Associação da Hotelaria de Portugal reunisse mais de 50 convidados em mais um almoço mensal de associados. Raul Martins, presidente da AHP, fez questão de destacar a importância do setor turístico na economia nacional, recordando os últimos dados que parecem indicar o melhor ano de sempre para a hotelaria portuguesa: “de acordo com o AHP Hotel Snapshot, o novo raio-x da performance hoteleira que acabámos de lançar, 2017 começou com o melhor primeiro trimestre dos últimos 10 anos.”

A questão que se coloca é pois “como aproveitar, então, o momento para posicionar Portugal, de uma vez por todas, no lugar que lhe pertence, ao lado dos grandes destinos?” Raul Martins admite que “o país está na moda, mas as modas passam, e o sol também brilha noutras longitudes”, alertando para a necessidade de reflexão sobre o futuro do destino.

Paulo Magalhães

Sob o tema “Portugal está nas bocas do mundo… E agora?”, Paulo Magalhães, atual assessor para a comunicação social da Presidência da República, e orador convidado deste almoço, também reconhece que “estamos numa fase boa, em termos globais, pelas razões conhecidas enumeradas pelo presidente da AHP. Mas não nos podemos deixar embalar na «maravilha» que são os números do turismo, motor da economia. Tudo isto são ciclos, é bom que se fale, mas que se ponderem os porquês e consequências”. O convidado referiu, ainda, os “40 mil novos postos de trabalho no turismo” um crescimento, em 2016, de “14,2% em todo o país”, mas não deixou de relembrar os desafios da sazonalidade, litoralização do turismo e a necessidade de termos Recursos Humanos mais qualificados.

“O crescimento é finito! O boom turístico verificado nos últimos dois anos e os crescimentos a dois dígitos em nenhuma indústria se sustenta no médio e longo prazo. Crescer sim, e Portugal está «longe da sobrecarga de que tanto se fala». No ano passado, Portugal contou com 19,1 milhões de turistas, sendo que no mesmo período, por exemplo, a cidade de Barcelona recebeu 36 milhões”, recordou Paulo Magalhães.

Por fim, Paulo Magalhães, assumindo que tem mais perguntas do que respostas, concluiu que “há espaço para crescer. A questão que deixo é: por onde e para onde?”

O próximo Almoço Mensal de Associados realiza-se no dia 12 de julho, no Hotel Real Palácio, com o mote “Hoteleiros vs. Hosteleiros”. O tema tem como objetivo contrapor a experiência de um hoteleiro no Alojamento Local versus a experiência de um hosteleiro enquanto hoteleiro. São convidados da AHP Miguel Simões de Almeida, administrador do Alma Lusa Baixa Chiado, e Bernardo D’Eça Leal, administrador do Independent Hostel & Suites.